PremiumSectores que não encerram queixam-se de falta de apoios

Considerados essenciais nos dois períodos de confinamento, as farmácias, postos de combustível, a agricultura e indústria agroalimentar são alguns dos setores que dizem estar a ser mais penalizados.

São vários os setores que se mantiveram abertos em longo da pandemia e que, apesar de ter registado quebras de faturação, se queixam de ter ficado de fora dos apoios do Estado. Impedidos de se candidatarem (ou com acesso dificultado) às ajudas estatais a setores com maiores perdas, as atividades consideradas essenciais durante o primeiro e segundo confinamentos e as empresas que fizeram um esforço para manter a atividade aberta, como os restaurantes em take-away, dizem ao Jornal Económico (JE) estar a ser duplamente penalizadas: pela perda de receitas e pela ausência de apoios.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Notícias sobre a morte do carvão ainda são exageradas

O uso do carvão para a produção de eletricidade está a acabar em Portugal e em declínio no mundo ocidental, mas vai voltar a aumentar na Ásia.

Mais de metade das embalagens de pesticidas por recolher em 2020, alerta Zero

Mais de metade das embalagens de pesticidas ficaram por recolher em 2020, representando cerca de 480 toneladas, alertou este domingo a associação ambientalista Zero em comunicado.

Perdas de empresa de Luís Filipe Vieira custam 181 milhões de euros aos contribuintes

Entre julho de 2016 e até final de 2018, os créditos da Promovalor deram ao Novo Banco perdas de 181 milhões de euros, mas como estes créditos estavam abrangidos pelo Acordo de Capitalização Contingente (ACC), foram os contribuintes que tiveram de pagar ao NB.
Comentários