“Sem acordo escrito, aumenta probabilidade de legislatura não chegar ao fim”

Politólogo André Freire diz ao Jornal Económico que um entendimento formal entre PS e Bloco de Esquerda seria “desejável” para assegurar estabilidade governativa.

O professor catedrático de Ciência Política André Freire considera que um acordo escrito semelhante ao que há quatro anos deu origem à ‘geringonça’ seria “desejável” para garantir a estabilidade da próxima legislatura, mesmo que fosse estabelecido apenas entre o PS o Bloco de Esquerda (BE). Em declarações ao Jornal Económico, o docente admite que, na ausência desse entendimento prévio, aumenta a probabilidade de a legislatura não chegar ao fim.

“Um acordo escrito seria desejável, do ponto de vista dos princípios. O professor Cavaco Silva foi um artífice da ‘geringonça’, por um lado, e da sua estabilidade, por outro. Isso foi um contributo positivo. Já se sabe que o professor Marcelo não vai fazer essa exigência. Mas se houver acordo escrito, nem que seja com o Bloco de Esquerda, a probabilidade de termos uma legislatura estável aumenta”, refere.

Sem acordo, o PS terá de lidar com mais negociações sem o ‘conforto’ de um entendimento prévio e “a situação fica potencialmente mais instável”, diz André Freire, antevendo: “Se não houver acordo, aumenta a probabilidade de legislatura não chegar ao fim”.

Embora seja necessária a chamada “coligação negativa” para fazer imposições de fundo ao partido com maioria relativa – esquerda e direita têm de alinhar-se em votações que contrariem a posição do PS -, isso já aconteceu em momentos específicos no passado recente, e levou a um aumento da tensão no Parlamento.

O caso mais extremo aconteceu num diploma sobre a reposição do tempo de serviço dos professores, em maio. PSD, CDS, PCP e BE aprovaram, em sede de comissão parlamentar, várias alterações a um decreto do Governo, no que resultou na consagração do direito à recuperação da totalidade do tempo de serviço dos docentes.

Isso fez com que António Costa fizesse uma declaração ao país a indicar que se demitiria se as alterações fossem aprovadas na votação geral final, o que acabou por não suceder porque PSD e CDS inverteram o sentido de voto.

“O potencial de instabilidade e de negociações ad hoc, ora à esquerda ora à direita, fica maior. Se houver um acordo há uma linha de rumo, pelo menos em determinados eixos fundamentais ela está definida”, conclui o docente.

Ler mais
Recomendadas

Costa reúne esta segunda-feira com Presidente da República para entregar nomes de secretários de Estado

O gabinete do primeiro-ministro enviou este domingo, 20 de outubro, uma nota onde refere que “o primeiro-ministro solicitou hoje uma audiência ao Presidente da República para lhe apresentar os nomes dos secretários de Estado”.

Sondagem Aximage: Maioria julga que António Costa sabia o que se passou em Tancos

Parte considerável dos eleitores também têm a impressão de que Marcelo Rebelo de Sousa também estava ao corrente daquilo que se estava a passar. PSD terá sido o partido mais beneficiado com o “caso de Tancos” e o PS o mais prejudicado nas urnas.
assunção_cristas_rui_rio_debate_legislativas_1

Direita unida numa só lista teria mais um deputado do que o PS

Se os eleitores do PSD, CDS-PP, Iniciativa Liberal, Chega e Aliança tivessem votado na mesma lista esta teria colocado 97 deputados na Assembleia da República, ganhando dez ao PS. Mas bastaria o partido de André Ventura ficar de fora para os socialistas continuarem a ter mais parlamentares do que os existentes à sua direita.
Comentários