Setor automóvel britânico une-se para proteger fornecedores do Brexit

Perante a forte possibilidade de uma saída britânica sem acordo, a indústria automóvel constituiu uma união entre construtores, setor financeiro e fornecedores para garantir que as cadeias de fornecimento não são afetadas pelas tarifas que entrarão em vigor entre o Reino Unido e a União Europeia.

Benoit Tessier/Reuters

Os fabricantes automóveis britânicos juntaram-se com os seus credores para criar uma estrutura que proteja a cadeia de fornecimento da indústria no caso de o Reino Unido sair da União Europeia sem acordo, além da ameaça que constitui a pandemia de Covid-19, reporta a Bloomberg.

O plano, que inclui grupos como a Nissan e a Jaguar, prevê que, caso um fornecedor se encontre numa situação de dificuldade, os construtores possam antecipar ou melhorar as condições de pagamento. Para tal, as marcas automóveis irão contar com o apoio dos seus credores para avançar com o apoio financeiro necessário.

As negociações do Brexit, que têm produzido poucos resultados concretos e cada vez mais fazem adivinhar uma saída desordenada e sem acordo da UE, motivaram esta união. A indústria automóvel britânica teme que, no caso de não haver acordo, os componentes utilizados no fabrico dos seus veículos fiquem retidos na fronteira ou sujeitos a pesadas tarifas.

”Dada a natureza integrada das cadeias de fornecimento automóveis e a dependência de técnicas de produção just-in-time [um sistema de produção que determina que tudo deve ser produzido, transportado e comprado numa hora exata e pré-determinada] se um dos elementos da cadeia tem problemas isso pode comprometer todas as empresas envolvidas, incluindo os construtores automóveis, ameaçando um setor inteiro”, argumentou a Sociedade de Produtores e Comerciantes Motorizados, a promotora desta estrutura.

A produção automóvel no Reino Unido caiu 40% nos primeiros oito meses do ano.

Recomendadas

EDP desiste do processo contra o Estado na CESE. Custos superam probabilidade de sucesso

A energética anunciou ainda que vai pedir a Bruxelas a análise da conformidade relativamente ao futuro do mecanismo de financiamento da Tarifa Social. “A EDP não questiona a existência da Tarifa Social em si mesma, com cujo propósito concorda, mas não pode, atendendo à evolução do respectivo regime, conformar-se com os termos de financiamento”.

‘Fintech’ crescem em Portugal apesar da pandemia, revela relatório

De acordo com o “Portugal Fintech Report 2020”, apresentado esta manhã pela Associação Portugal Fintech, “a maior parte das ‘fintechs’ em Portugal situa-se nos verticais de ‘pagamentos e transferências’, ‘insurtech’ e ‘criptomoeda’, estando 43% na fase de ‘seed’” (fase inicial de desenvolvimento).

Portugal Blue quer distribuir 75 milhões de euros em investimentos na economia azul

A Portugal Blue quer mobilizar mais de 75 milhões de euros de capital privado, público e europeu para fomentar o ecossistema da economia azul portuguesa, disponibilizando capital de risco e expansão a mais de 30 empresas, em todos os estágios de desenvolvimento. O programa de investimento cobrirá até 70% da dimensão dos fundos selecionados, com o intuito de potenciar a capacidade crítica da plataforma local da economia azul.
Comentários