‘Shrinkflation’, sabe o que é? Produtos estão a encolher no Reino Unido (mas mantêm o preço)

Nos últimos cinco anos, mais de 2.500 produtos encolheram (shrink) no Reino Unido, mas continuam a ser vendidos ao mesmo preço.

A agência de estatística britânica(ONS) chamou-lhe “Shrinkflation”. Ou seja, mais de 2.500 produtos diminuíram de tamanho mas mantiveram o mesmo preço. Barras de chocolate, papel higiénico, pacotes de açúcar ou embalagens de sumos de fruta estão neste lote.

A empresa que fabrica os rolos de papel higiénico, Andrex, explicou ao canal BBC que “reduzir o rolo ajudou a direcionar milhões de libras no desenvolvimento de um melhor produto”. No caso dos chocolates, os Maltesers encolheram de 121 para 103 gramas, um corte de 15%. Já os Toblerones têm menos triângulos, registando uma redução de 12%.

“O objetivo é manter o produto acessível aos consumidores”, responderam as marcas à BBC, queixando-se do aumento do preço de alguns ingredientes. No entanto, a ONS põe em causa esta teoria: o preço do açúcar atingiu o mínimo em março de 2017 e o do cacau, outro item, vem a cair desde dezembro de 2015.

A ONS desmente também que o Brexit tenha contribuído para esta situação, alertando para a subida de alguns alimentados importados. De acordo com os dados divulgados esta terça-feira, 13 de Junho, pelo gabinete nacional de estatísticas, a taxa de inflação subiu de 2,7%, em Abril, para 2,9%, em Maio, um nível que não era alcançado desde Junho de 2013. Os economistas consultados pela Bloomberg antecipavam que o crescimento dos preços se mantivesse em 2,7%.

Recomendadas

Leia aqui o Jornal Económico desta semana

Leia todas as edições do Jornal Económico, na plataforma JE Leitor. Aproveite as nossas ofertas para assinar o Jornal Económico. Apoie o jornalismo independente.

Governo anuncia linha de crédito de 50 milhões para microempresas de gestão de eventos

Os 50 milhões de euros foram anunciados pelo ministro da Economia no Parlamento, num exemplo de uma das áreas que, não sendo óbvia, enfrenta enormes dificuldades por orbitar em torno de um setor muito condicionado pela pandemia, o turismo. 20% dos 50 milhões de euros desta linha poderá passar a fundo perdido caso empresas mantenham o emprego no próximo ano.

Fórum para a Competitividade prevê queda do PIB até 12% este ano

Para o próximo ano, a entidade liderada por Pedro Ferraz da Costa antevê uma recuperação do PIB entre 5% e 6%.
Comentários