SIC vai ao mercado captar 30 milhões de euros e paga juro de 4,5%

A televisão do grupo Impresa tem por objetivo “diversificar as fontes de financiamento e alargar a maturidade média da dívida”, de acordo com o prospeto publicado pela CMVM.

Francisco Pedro Balsemão, CEO do grupo Impresa.

A SIC lançou uma oferta pública de subscrição (OPS) de obrigações para o retalho com o objetivo de captar 30 milhões de euros, através de um milhão de títulos, cada um com um valor nominal de 30 euros e uma maturidade de três anos, de acordo com o comunicado pela Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) na terça-feira, 11 de junho.

A estação televisiva de Paço de Arcos entrou desta forma no mercado para atrair investidores particulares para se financiar numa emissão de obrigações até 2022. Segundo o prospeto da OPS, a taxa de juro da remuneração bruta da emissão de obrigações da SIC é 4,5%, contando que os juros serão pagos a cada seis meses e com desembolsos a 10 de janeiro e a 10 de julho de cada ano. A taxa de juro líquida de impostos é de 3,26002%.

O investimento mínimo previsto é de 1.500 euros e os investidores terão de comprar um mínimo de 50 obrigações, sendo que as ordens podem ser revogadas até 2 de julho.

A televisão do grupo Impresa tem por objetivo “diversificar as fontes de financiamento e alargar a maturidade média da dívida”, lê-se no prospeto da oferta.

A subscrição dos títulos da SIC arrancam a 17 de junho até ao dia 4 de julho e a SIC poderá aumentar o valor da oferta de 30 milhões de euros até ao dia 28 de junho. A 10 de julho, a estação de Carnaxide pretende admitir as obrigações na bolsa portuguesa.

Recomendadas

10 mandamentos gastronómicos da Quinta do Lago

Um verdadeiro portfólio gastronómico. Esta é a promessa de tudo aquilo que poderá encontrar na Quinta do Lago. Em cada uma das opções, uma experiência surpreendente. É que, aqui, a Natureza e o luxo andam de mãos dadas.

Toyota traz para Portugal um bestseller mundial

Foi comercializado em Portugal, no passado. É-nos familiar dos filmes e séries norte-americanos, onde se impõe pelo seu reconhecido requinte. Chega agora ao mercado português para se assumir como a proposta de topo da Toyota. Os argumentos são muitos…

ABANCA integra Ana Barros como administradora

A instituição reuniu o seu conselho de administração pela primeira vez em Lisboa. Licenciada no Porto, Ana Barros trabalhou em banca de investimento em Madrid, Nova Iorque e Londres, entre várias outras funções.
Comentários