SIC vai ao mercado captar 30 milhões de euros e paga juro de 4,5%

A televisão do grupo Impresa tem por objetivo “diversificar as fontes de financiamento e alargar a maturidade média da dívida”, de acordo com o prospeto publicado pela CMVM.

Francisco Pedro Balsemão, CEO do grupo Impresa.

A SIC lançou uma oferta pública de subscrição (OPS) de obrigações para o retalho com o objetivo de captar 30 milhões de euros, através de um milhão de títulos, cada um com um valor nominal de 30 euros e uma maturidade de três anos, de acordo com o comunicado pela Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) na terça-feira, 11 de junho.

A estação televisiva de Paço de Arcos entrou desta forma no mercado para atrair investidores particulares para se financiar numa emissão de obrigações até 2022. Segundo o prospeto da OPS, a taxa de juro da remuneração bruta da emissão de obrigações da SIC é 4,5%, contando que os juros serão pagos a cada seis meses e com desembolsos a 10 de janeiro e a 10 de julho de cada ano. A taxa de juro líquida de impostos é de 3,26002%.

O investimento mínimo previsto é de 1.500 euros e os investidores terão de comprar um mínimo de 50 obrigações, sendo que as ordens podem ser revogadas até 2 de julho.

A televisão do grupo Impresa tem por objetivo “diversificar as fontes de financiamento e alargar a maturidade média da dívida”, lê-se no prospeto da oferta.

A subscrição dos títulos da SIC arrancam a 17 de junho até ao dia 4 de julho e a SIC poderá aumentar o valor da oferta de 30 milhões de euros até ao dia 28 de junho. A 10 de julho, a estação de Carnaxide pretende admitir as obrigações na bolsa portuguesa.

Recomendadas

Lesados do BES. António Costa “disse que acabou. Não há mais dinheiro”

Uma organizadora do movimento dos emigrantes lesados do BES em França contou hoje à Lusa que o primeiro-ministro, António Costa, lhe disse que não haveria mais dinheiro para além do que já foi acordado.

Trabalhadores da General Motors em greve a partir de segunda-feira

O sindicato United Auto Workers (UAW), o maior do setor automóvel, marcou hoje uma greve que abrange os cerca de 48 mil trabalhadores do gigante norte-americano General Motors (GM) na primeira paralisação em 12 anos.

PremiumPresidente da ATP disponível para novas fusões que unifiquem o setor

Mário Jorge Machado diz que consolidar o associativismo nos têxteis até unir todos os empresários seria benéfico para o setor. Frente internacional é outra prioridade do líder da Associação Têxtil e do Vestuário de Portugal.
Comentários