SNQTB vai discutir programas de rescisões por mútuo acordo no Montepio e Santander

Depois do anúncio do Montepio de que deverá rescindir com 900 trabalhadores nos próximos três anos, agora é o Santander que avança com um programa do género, depois de ter absorvido vários trabalhadores de outros bancos que foi adquirindo ao longo dos anos.

Cristina Bernardo

O Sindicato Nacional dos Quadros e Técnicos Bancários (SNQTB) faz saber esta sexta-feira, em comunicado, que irá reunir na próxima semana com os trabalhadores do Montepio e do Santander para debater o programa de rescisões por mútuo acordo de cada um dos bancos.

O SNQTB pretende informar estes trabalhadores dos seus direitos e deveres perante as ações de rescisão de ambos os bancos, reunindo dia 20 com os trabalhadores do Montepio e dia 21 com os do Santander. Os plenários realizar-se-ão online.

“Temos acompanhado de perto, e com muita apreensão, os programas de Rescisões por Mútuo Acordo que se encontram a decorrer no Montepio e Santander. Desta forma, tomámos a iniciativa de realizar dois plenários para esclarecer todas as dúvidas que os bancários poderão ter em relação a estas rescisões e que serão certamente úteis para tomar decisões vindouras nestas áreas,” refere Paulo Gonçalves Marcos, presidente do sindicato. “Apelamos desde já aos bancários que recorram ao Sindicato para conseguirem clarificarem todas as questões”, continuou.

O SNQTB defende que o “procedimento massificado” que resultará na saída de centenas de trabalhadores de ambas as instituições “não se coaduna” com os lucros apresentados em Portugal, apelando a qualquer bancário visado que se informe “antes de tomar qualquer decisão sobre as propostas que lhes estão a ser apresentadas”.

Recomendadas

CEO da CGD defende que a consolidação bancária vai decorrer “nos próximos dois anos”

A consolidação da banca poderá ser impulsionada pelos resultados dos bancos nos próximos trimestres, defendeu o CEO da CGD que considera que um banco público tem de ter dimensão para poder ser relevante no mercado. O BCP defende que a consolidação será cross border. Aumentos de capital para superar a crise? CEO do BCP e o CEO do BPI rejeitam que haja essa necessidade.

Novo Banco tem carteira de malparado de 100 milhões à venda

A revelação foi feita numa conferência para falar sobre a “banca do futuro”, organizada pelo Negócios, António Ramalho ironizou ao falar da carteira de NPL que está já à venda: “não se chama ‘Nata 3’ porque achámos por bem denominar isto com nomes mais ligados a jogadores de rugby. Que passou a estar na moda depois de este meu colega [Miguel Maya] ter lançado dois processos no mercado com base no rugby”.

Ex-Governador do BdP reafirma que auditora deveria ter comunicado reservas sobre BESA

Carlos Costa afirmou que a garantia soberana emitida pelo Estado angolano remetia para um anexo que nunca foi do conhecimento do Banco de Portugal.
Comentários