Sofia Canha defende rede de transportes municipais na Calheta

A ideia é envolver também os taxistas do concelho, de modo a poder dar resposta às pessoas que, pela falta de transporte público, por não terem viatura própria ou de familiares ou por indisponibilidade financeira, ficam condicionadas e, por vezes, impedidas de aceder a vários serviços.

A candidata do Partido Socialista à Câmara Municipal da Calheta considera que há falta de  transportes públicos no concelho e por isso propõe a criação de  uma rede de transportes municipais.

A ideia é envolver também os taxistas do concelho, de modo a poder dar resposta às pessoas que, pela falta de transporte público, por não terem viatura própria ou de familiares ou por indisponibilidade financeira, ficam condicionadas e, por vezes, impedidas de aceder a vários serviços.

A candidata do PS refere que esta é uma lacuna que se verifica principalmente nas zonas mais altas e mais afastadas das estradas regionais e que causa constrangimentos significativos na mobilidade das pessoas, em particular idosos, que, por exemplo, por vezes veem-se impedidos de comparecer a consultas médicas ou de aceder a outros serviços essenciais. Uma situação que, no seu entender, “é inaceitável e precisa de ser resolvida o quanto antes”.

Este é um problema para o qual o PS já vem chamando à atenção há muito tempo, sendo que, como recorda Sofia Canha, há quatro anos a sua candidatura colocou esta prioridade no seu programa. Na sua ótica, a solução seria criar uma rede de transportes municipais mais regular, integrando os profissionais de táxi da Calheta, de modo a servir todas as pessoas que necessitem deste serviço e, desta forma, esbater as desigualdades que são gritantes no município.

A candidata dá ainda conta que, só após a insistência do PS, a Câmara da Calheta disponibilizou um serviço de táxi para o sítio do Pinheiro, no Arco da Calheta. Contudo, considera que é fundamental alargar este tipo de iniciativa a todo o concelho.

Sofia Canha constata ainda que uma parte dos serviços públicos encontram-se localizados na Vila da Calheta, onde circulam menos transportes, aproveitando para lembrar que, já desde 2017, o PS reivindica a descentralização de serviços municipais para a Estrela da Calheta.

Recomendadas

Qual o balanço dos partidos sobre os resultados eleitorais?

Na generalidade, os líderes dos partidos com representação no Parlamento consideraram que alcançaram os objetivos a que se propuseram, embora também alguns representantes partidários tenham assumido que os resultados ficaram “aquém dos esperado”.

“É muito difícil não ver na conquista de Lisboa alguns indícios preocupantes para o PS”, avalia subdiretor do JE

A capital protagonizou a grande surpresa da noite com a vitória de Carlos Moedas. Na análise aos resultados das eleições autárquicas, Leonardo Ralha, subdiretor do JE, considera que, apesar da ganhar a maioria das autarquias do país, os socialistas vão ter que analisar este resultados e perceber se refletem o desgaste do próprio Governo.
Cartazes de Carlos Moedas e Fernando Medina

Nenhum candidato chegou aos 100 mil votos pela primeira vez desde que há eleições autárquicas

Carlos Moedas e Fernando Medina protagonizaram a primeira disputa pela Câmara de Lisboa, com a exceção das intercalares de 2007, em que não houve qualquer candidato a chegar à centena de milhar de eleitores. Para trás ficam as enormes vitórias, acima dos 200 mil votos, que dos dois lados do espectro político ocorreram em 1979 e 1993.
Comentários