“Solução bloco central empobrece a democracia”, defende António Costa

O país precisa de uma solução estável, sem um “arco da governação” que “condena o PCP, os Verdes e o Bloco de Esquerda ao estatuto de uma oposição obrigatória”. Em entrevista à Antena 1, o secretário-geral do PS acrescenta que um bloco central só deve acontecer numa situação limite.

Relacionadas

António Costa: “Não vale a pena estragar uma boa amizade com um mau casamento”

Em entrevista à Antena 1, António Costa revela a sua crença de que não há razão para haver uma crise política depois das eleições de 6 de outubro. Continua a evitar a expressão “absoluta” mas pede uma maioria e recusa a ideia de um governo de coligação.

António Costa: “PSD e CDS? São programas de quem não pretende governar”

Nesta entrevista à Antena 1, o secretário-geral do PS também traçou como prioritário o equilíbrio das contas públicas. Por isso, não entende as promessas eleitorais de CDS e PSD, para a descida de impostos em Portugal: “São programas de quem não pretende governar”.
Recomendadas

“Problemas no setor de aviação convertem-se em oportunidades”, considera CEO da EuroAtlantic

Quais os grandes desafios que o setor da aviação vai ter que ultrapassar? Eugénio Fernandes, CEO da EuroAtlantic, esclarece que a empresa funciona em contraciclo com o mercado e que os problemas no setor convertem-se em oportunidades. Quanto aos problemas, este responsável aponta a falta de pessoal como questão a ultrapassar.

“Este governo tem um problema que é a imprevisibilidade”

João Vieira Lopes, presidente da Confederação do Comércio e Serviços de Portugal, à Antena1/Jornal de Negócios, diz que “este governo tem um problema que é a imprevisibilidade”, uma vez que não há acordo com os partidos à esquerda e por isso não se sabe que posição vão tomar.

Jogo Económico estreia este sábado n’ “A Bola TV”

Este programa, que visa abordar as vertentes económicas e financeiras do futebol e de outras modalidades conta no painel residente com a presença do economista e comentador de A Bola TV, Diogo Luís, do jornalista João Marcelino e do advogado e consultor Luís Miguel Henrique.
Comentários