PremiumSondagens começam a correr mal a Donald Trump

Pela primeira vez, a diferença de intenções de voto entre candidatos presidenciais atingiu 17 pontos. Entretanto, Obama regressa à campanha de Biden.

Apesar de o presidente norte-americano Donald Trump ter optado, desde que saiu do hospital militar onde esteve internado com uma infeção por Covid-19, por se apresentar como uma espécie de herói da Marvel – menos na parte em que demonstrou, num dos seus últimos comícios públicos, ter sido afetado por uma propensão osculatória contrária às normas tradicionalmente assexuadas da banda desenhada – as sondagens parecem começar a correr-lhe bastante mal.

Faltando menos de três semanas para o dia das eleições, uma sondagem do jornal inglês “The Guardian” e da Opinium resulta no maior diferencial alguma vez conseguido entre Trump e o democrata Joe Biden: 17 pontos percentuais. Segundo o estudo, 57% dos prováveis eleitores entrevistados disseram que pretendem votar em Biden, enquanto apenas 40% apoiam o ainda presidente – uma margem que é um ponto acima da CNN (16 pontos), que era a que até agora dava a margem mais alargada entre os dois pretendentes.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumTransição energética é uma “oportunidade” para Portugal

Bruno Martinho, da consultora Accenture, aborda os principais desafios e oportunidades da transição energética em Portugal. “Temos os ingredientes todos para capturar esta mais valia para Portugal”.

PremiumMaradona: Fazer a revolução com a “mão de Deus” e a bola colada aos pés

Vingou a Guerra das Malvinas em pleno México 86, acabou com o estigma de que um clube do sul não podia ganhar títulos de campeão em Itália e dividiu esse país ao meio quando pôs Nápoles a celebrar uma vitória argentina no Itália 90. Para o 10, o futebol era uma arma.

PremiumCriptomoeda: Bitcoin, a moeda que quer imitar o ouro

Após a ascensão fulgurante seguida de uma espiral de queda em 2017, o valor da bitcoin voltou a disparar este ano mais de 150%. O apetite pelo risco, a entrada de investidores institucionais, a escassez de oferta e a perceção de que poderá tornar-se num ativo de reserva levou o preço para perto de máximos e do patamar 20 mil dólares por cada moeda.
Comentários