STCP vai entrar em greve a partir da meia noite

A empresa de transporte rodoviários de passagerios da Área Metropolitana do Porto esclarece que não foram estabelecidos quaisquer serviços mínimos pelo tribunal arbitral.

O serviço da STCP – Sociedade de Transportes Coletivos do Porto deverá ser afetado a partir da meia noite de hoje, dia 29 de junho, devido à greve convocada por diversos sindicatos.

“A STCP – Sociedade de Transportes Coletivos do Porto informa os seus clientes da possibilidade de ocorrência de perturbações de serviço esta terça-feira, dia 30 de junho, a partir das zero horas até às duas horas da manhã do dia 1 de julho, em resultado de um pré-aviso de greve apresentado por diversas organizações sindicais”, aviasa um comunicado da empresa de transporte rodoviário de passageiros da Área Metropolitana do Porto.

A nota em causa acrescenta que “ainda que não foram estabelecidos pelo tribunal arbitral quaisquer serviços mínimos, quer para a operação de autocarros, quer para a operação de carros elétricos, pelo que a empresa não poderá garantir o cumprimento do serviço em qualquer uma das 73 linhas da rede STCP”.

“A administração da STCP lamenta todo e qualquer inconveniente que esta situação possa criar aos seus clientes, solicitando a melhor compreensão de todos”, conclui o referido comunicado.

Recomendadas

Luís Filipe Vieira recandidata-se à presidência do SL Benfica

O dirigente máximo dos ‘encarnados’ fez a revelação na reunião dos órgãos sociais que teve lugar esta terça-feira e assumiu-se como candidato à presidência do clube. Caso seja reeleito, poderá manter-se à frente das ‘águias’ até outubro de 2024.

EDP: Despacho de juiz alude a troca de favores entre Mexia e Manuel Pinho

Segundo o MP, foi também acordado, que da parte do ministro haveria a concessão de benefícios indevidos à EDP, através do exercício das suas funções públicas, tendo como contrapartida o apoio da EDP à sua carreira profissional e académica quando saísse do Governo.

CIP apela à aprovação do plano de recuperação: “Previsões de Bruxelas são um novo sinal vermelho”

A Confederação Empresarial de Portugal defende ainda a “rápida” intervenção do Governo português, que passa pela criação de uma ‘bazuca’ nacional’ “que faça mesmo a diferença”.
Comentários