Subcomissão da Ética emite parecer sobre alegado conflito de interesses do deputado Carlos Peixoto

A subcomissão de Ética vai emitir um parecer sobre o deputado do PSD Carlos Peixoto, após as denuncias da associação Transparência e Integridade que o acusou de conflito de interesses num projeto acerca de Vistos Gold.

A subcomissão de Ética vai emitir um parecer sobre o deputado do PSD Carlos Peixoto, após as denuncias da associação Transparência e Integridade que o acusou de conflito de interesses num projeto acerca de Vistos Gold.

O pedido foi feito pelo próprio Carlos Peixoto, disse esta quinta-feira à agência Lusa o presidente da subcomissão, Luís Marques Guedes, que depende da comissão de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias.

Em 03 de outubro, a associação Transparência e Integridade acusou Carlos Peixoto de ter incorrido num “gritante conflito de interesses” ao aceitar ser o relator de um projeto de lei do BE para a extinção dos Vistos Gold.

Em causa está a sua “participação remunerada” na sociedade de advogados Caiado Guerreiro que, segundo a Transparência e Integridade, está especializada, entre outras coisas, no “fornecimento de serviços assessoria jurídica a requerentes Vistos Gold”.

A associação endereçou uma carta ao presidente da Comissão de Assuntos Constitucionais, o socialista Bacelar de Vasconcelos, para contestar a escolha do relator do projeto de lei dos bloquistas que pretendia a extinção do regime dos Vistos Gold.

Segundo Marques Guedes, a subcomissão só pode agir mediante pedido ou do presidente da comissão de Assuntos Constitucionais ou do próprio visado, o que aconteceu na quarta-feira.

A escolha de Carlos Peixoto para redigir o parecer “configura um gritante conflito de interesses, que fere a idoneidade e a independência não só do deputado em causa, mas de toda a comissão de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias e da Assembleia da República”, escreve a Transparência e Integridade na missiva.

A associação presidida por João Paulo Batalha pede, por isso, à subcomissão parlamentar de Ética que avalie “do ponto de vista legal, ético e deontológico esta situação de conflito de interesses do deputado Carlos Peixoto”.

Questionado pela Lusa em 03 de outubro, o deputado e vice-presidente da bancada do PSD Carlos Peixoto rejeitou qualquer conflito de interesses neste caso, invocando o estatuto dos deputados.

“Conheço perfeitamente o estatuto dos deputados: o que impõe são regras de transparência, não impõe nenhuma inibição ou limitação de ser relator de qualquer parecer”, defendeu, afirmando fazer questão que a subcomissão de Ética se pronuncie sobre o caso e assegurando que irá acatar a respetiva decisão.

O deputado ressalvou que, no debate de generalidade da proposta do BE, fará questão de informar no início que é consultor de uma sociedade de advogados que trabalha – “como muitas outras” – com assuntos relacionados com a captação de investimento ou a obtenção de residência por parte de estrangeiros de fora da União Europeia.

Ler mais
Recomendadas

Presidente do PSD admite propor revisão constitucional

Rui Rio defendeu este sábado que “ninguém quer políticos na justiça”, mas rejeitou também “a gestão de processos judiciais em função de objetivos de natureza política”, admitindo propor uma revisão constitucional para reformar o setor.

José Sócrates nega ter mestrado na Sorbonne

O ex-primeiro ministro reagiu ao final da tarde deste sábado à manchete do semanário “Expresso”: “Julgo, portanto, difícil tirarem-me o que nunca tive”.

Rui Rio admite que 2019 não é altura propícia para reformas estruturais urgentes

O presidente do PSD admitiu este sábado que este ano, com diversas eleições, “não é a altura propícia” para o conjunto alargado de reformas estruturais urgentes, criticando a ausência de cultura do diálogo que impediu estes entendimentos.
Comentários