Empresa implanta chips nos trabalhadores e gera polémica

Chips subcutâneos substituem os tradicionais cartões da empresa e servem para funções como abrir portas ou aceder aos computadores da firma, mas estão a criar polémica entre organizações de direitos humanos.

Uma empresa belga está a implementar um novo (e polémico) sistema de identificação. Os funcionários da Newfusion receberam chips subcutâneos que substituem os tradicionais cartões da empresa e servem para funções como abrir portas ou aceder aos computadores da firma, de acordo com o canal de televisão belga VRT. Para já, é uma experiência com oito empregados, mas pode ser alargada a toda a empresa.

O chip foi implementado debaixo da pele dos oito funcionários da empresa belga de marketing digital de forma voluntária. No entanto, o sistema alarmou organizações de defesa dos direitos humanos devido a questões relacionadas com vida privada, saúde e o risco de vigilância permanente dos trabalhadores. “Ninguém é obrigado a utilizá-lo. Trata-se de um projeto lúdico. A ideia surgiu de um funcionário que se esquecia muitas vezes do cartão”, explicou o diretor da empresa, Vincent Nys, à VRT.

Por outro lado, houve vários funcionários que se opuseram à ideia, sendo que os homens mostraram-se mais recetivos à ideia do que as mulheres. Para além do chip, a Newfusion coloca também a hipótese de colocar o chip num anel para quem rejeitar a opção subcutânea. Apesar da controvérsia à volta da ideia pioneira na Bélgica, o uso de chips subcutâneos é uma prática nos EUA, onde se estima que dez mil pessoas usem o chip. Na Suécia, a opção também já está a ser testada.

Recomendadas

PremiumImparidades de 841,2 milhões de euros tiram 300 milhões ao lucro do BCP

O BCP teve lucros de 183 milhões de euros, menos 39,4% do que em 2019, graças às provisões de 841,2 milhões de euros no contexto Covid-19. Polónia e Fundos de Restruturação impactaram nas contas.

1.886 tripulantes da TAP votaram ‘sim’. Acordo de emergência fica aprovado no SNPVAC

A esmagadora maioria dos tripulantes da TAP representados pelo Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil votou favoravelmente o “Acordo de Emergência”, virando a página num processo negocial que tem sido longo para os trabalhadores do Grupo TAP, mas que salvaguardou algumas regalias laborais.

TAP. Pilotos do SPAC aceitam “acordo de emergência”

Com uma participação massiva de 96,8% dos associados do Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil (SPAC), foi votado o “Sim” ao “acordo de emergência” estabelecido com a administração da TAP, com uma maioria de 617 votos. O regime sucedâneo é afastado para os pilotos, que vêm o ordenado ser cortado em 50% acima do valor de garantia de 1.330 euros mensais.
Comentários