Surtos de coronavírus encerram escolas no Reino Unido

Uma semana depois do regresso às aulas, várias escolas no Reino Unido estão a detetar surtos nos estabelecimentos de ensino.

Várias escolas no Reino Unido relataram surtos de coronavírus, algo que motivou o encerramento de alguns estabelecimentos de ensino, avançou o “The Guardian” esta segunda-feira, 7 de setembro.

Uma semana depois do regresso às aulas, várias escolas no Reino Unido estão a detetar surtos nos estabelecimentos de ensino. Cinco professores de uma escola em Suffolk testaram positivo para coronavírus, o que fez com que a escola fechasse. Em Cardiff, foi pedido a 30 alunos do 7º ano, em Ysgol Bro Edern, que ficassem de quarentena durante 14 dias depois de encontrarem um aluno infetado.

Em Bradford, foram detetados três casos da Covid-19 e foi pedido a alguns alunos e funcionários que permanecessem em isolamento, segundo o “Yorkshir Examiner” citada pelo “The Guardian”. Em Leeds, a escola primária de Bardsey foi forçada a adiar os seus planos de reabertura total na terça-feira, 8 de setembro, depois de ter sido detetado um caso de coronavírus. Assim, as aulas presenciais em Bardsey vão voltar apenas para crianças com cinco e seis anos.

O relato de casos continua em Manchester, onde três alunos que estavam a 2 metros de um colega na escola de King David, em Crumpsall, desenvolveram sintomas de coronavírus e a 28 de agosto foi solicitado isolamento de 14 dias. Os responsáveis da escola de Winstanley, em Leicester, aconselharam os pais a monitorizarem os sintomas dos filhos depois de foi confirmado que um caso da Covid-19.

Andy Hunter, diretor da Samuel Ward, em Haverhill, que teve 5 casos de infeção e viu a escola ser encerrada, garantiu que a segurança dos alunos era sua “maior prioridade” e havia uma sensação de “grande deceção depois de trabalhar tanto para colocar a escola de volta em funcionamento”.

O regresso às aulas tem sido marcado pelo surgimento de vários surtos, o mesmo tem acontecido com as escolas na Europa.

Na França, a três dias da reabertura a 1 de setembro, 22 escolas encerraram devido ao coronavírus, segundo a “Sky News”. Foram contadas mais de sete mil novas infeções num período de 24 horas, pela segunda vez em dois dias, após as férias de verão – a taxa diária mais alta da Europa.

Em Berlim, na Alemanha, pelo menos 42 escolas das 825 relataram casos de coronavírus nas primeiras duas semanas do começo do novo ano letivo, que aconteceu a 7 de agosto, de acordo com a revista “Times”.

Em Portugal, os alunos voltam às aulas entre 14 e 17 de setembro, na Grécia e Itália o regresso aos estabelecimentos de ensino decorrem também a 14 de setembro.

 

Ler mais
Relacionadas

Cerca de 42 mil alunos e 6 mil e 200 professores regressam às aulas a partir de hoje na Madeira

Jorge Carvalho explicou que o recurso ao ensino à distância pode ocorrer se for detetado um caso positivo numa escola ou numa turma, destacando que a secretaria regional dispõe de condições para atuar, nomeadamente ao nível de equipamentos informáticos.

Regresso às aulas: Rui Rio critica DGS e Governo pela demora na divulgação das medidas

De visita a um estabelecimento de ensino em Vila do Conde, Rio identificou aquelas que lhe parecem ser as maiores falhas na forma como o Governo e as autoridades têm preparado o regresso às aulas e elogiou as escolas que, autonomamente, tomaram medidas próprias.
Recomendadas

Trump acusa epidemiologista de ter falhado na resposta à Covid-19

Donald Trump criticou o membro da sua task-force governamental de combate ao novo coronavírus de “estar errado” durante toda a pandemia. Ainda assim, o presidente norte-americano admitiu que Fauci é “simpático” e considera ser “bom que os cidadãos confiem nele”.

Reino Unido diz que hackers russos planeavam atacar os Jogos Olímpicos de Tóquio em 2020

O Reino Unido identificou que “os alvos incluíam os organizadores dos Jogos, serviços de logística e patrocinadores”, referindo que “os ataques aos Jogos Olímpicos de 2020 são a mais recente campanha de atividades cibernéticas maliciosas da Rússia”.

Generais angolanos ‘Dino’ e ‘Kopelipa’ aguardam por medidas de coação

Os generais Leopoldino do Nascimento “Dino” e Hélder Vieira Dias Júnior “Kopelipa” aguardam pela notificação das medidas de coação a serem aplicadas pela Procuradoria-Geral da República (PGR) de Angola. Notificação é aguardada, depois de terem sido ouvidos, na semana passada, no âmbito do processo que investigas indícios de terem beneficiado dos negócios que o Estado teve com a empresa China International Fund (CIF).
Comentários