Técnico lidera consórcio europeu para produção de grafeno

O projeto é coordenado por Elena Tatarova do Instituto de Plasmas e Fusão Nuclear, do IST, integra seis parceiros de cinco países e recebeu um financiamento global de quatro milhões de euros.

Jose Manuel Ribeiro/Reuters

O projeto, que dá pelo nome de PEGAUS, inicia-se em novembro de 2017, tem uma duração de quatro anos e incentivará a criação de uma nova plataforma europeia para a síntese de materiais. O Técnico lidera o consórcio, tendo como parceiros o Centre National de la Recherche Scientifique (França), o Institut Jozef Stefan (Eslovénia), a Universidade de Kiel (Alemanha), a Universidade de Sófia (Bulgária) e o Charge2C-Newcap Lda (Portugal).

Mas o que é o grafeno?

O grafeno consiste numa folha plana de átomos de carbono formando uma estrutura cristalina hexagonal. É um material revolucionário com infinito potencial para aplicações. Apesar da sua fina espessura, é o material mais forte que se conhece, sendo igualmente um excelente condutor de calor e de eletricidade. Os plasmas são uma amálgama de eletrões, iões, átomos, moléculas e fotões com comportamento coletivo.

“A manipulação deste quarto estado da matéria permite controlar a energia e a matéria à escala atómica, criando uma ferramenta extraordinária para o desenvolvimento de materiais com características inovadoras”, explica o Técnico, em comunicado.

O Técnico vinca a importância estratégica, científica e tecnológica do desenvolvimento de materiais bidimensionais, explicando que o projeto PEGASUS “permitirá definir processos escaláveis de baseplasma para sintetizar folhas autónomas de grafeno e do seu derivado N-grafeno, dopado com azoto”. Estes materiais, obtidos de forma eficiente, pouco dispendiosa e amiga do ambiente, acrescenta, são os candidatos mais promissores para uma nova geração de dispositivos de armazenamento e conversão de energia.

“O PEGASUS está numa posição privilegiada para elevar a competência e a competitividade europeias do domínio estratégico da nanossíntese, contribuindo para o desenvolvimento de uma plataforma de processamento que promove os plasmas como tecnologia essencial, ecológica e altamente controlável, para a criação de novos materiais nanoestruturados, mais eficientes e mais baratos”, explica Elena Tatarova, do Instituto de Plasmas e Fusão Nuclear, unidade de investigação do Instituto Superior Técnico, com o estatuto de laboratório associado nas áreas temáticas de Fusão Nuclear Controlada e Tecnologias de Plasmas e Lasers Intensos.

 

Ler mais
Recomendadas

Agência Espacial Europeia tem 125 mil euros para apoiar projetos portugueses

As empresas e institutos de investigação portugueses interessados em transferir tecnologia espacial para criar novos produtos ao serviço da Terra já podem inscrever-se no programa “Spark 4 Business 2021”.

Altice, Microsoft e HPE firmam parceria. Centro de dados da Covilhã acolhe oferta de ‘cloud’ híbrida inédita em Portugal

Os serviços em causa são fornecidos pela Microsoft Azure, uma plataforma da gigante tecnológica norte-americana especializada no uso de aplicações e serviços em cloud. O controlo dos dados é responsabilidade do ‘data center’ da Altice e o apoio técnico especializado é da HPE.

Empresas gastam em média 3 milhões de euros com integração de sistemas

Só cerca de um terço dos mais de 800 inquiridos pela MuleSoft conseguiu entregar todos os projetos de tecnologias da informação no ano passado, concluiu o estudo “2021 Connectivity Benchmark Report”.
Comentários