Tecnológica Glintt abre empresa nos Açores

A empresa de software e consultoria portuguesa inaugurou a sua nova empresa, Glintt Açores, na Praia da Vitória, na Ilha Terceira. Na cerimónia, o autarca lembrou que a economia da região não pode depender da base das Lajes e o CEO disse que vai recrutar ainda terça-feira.

A Glintt – Global Intelligence Technologies formalizou esta segunda-feira o início das suas operações físicas nos Açores, com a inauguração da sua empresa no concelho da Praia da Vitória, na Ilha Terceira. Com 15 pessoas no local – 12 formandos de um programa regional de retenção de talentos, três colaboradores que transitam de outras áreas da multinacional –, a empresa irá recrutar esta terça-feira a mais dois reforços para a equipa.

A recém-criada Glintt Açores ‘pintou’ de laranja a Rua de Jesus e fixou-se no piso que pertencia à antiga Casa Vitória, uma loja âncora deste concelho da Terceira. Para o autarca da Praia da Vitória, Tibério Faria Dinis, a chegada de uma empresa cotada na Euronext Lisboa significa “o futuro de novos projetos” e a ambição “de algo novo para a Praia da Vitória”. O presidente da câmara acredita que “há mais além da base das Lajes” e que “a economia não pode depender de excessivamente de uma única estrutura”.

O presidente do governo regional dos Açores, Vasco Cordeiro, considera que a abertura deste escritório indica que o Plano de Rentabilização da Terceira – criado para enfrentar o impacto económico e social que a despovoação da base das Lajes teve no local na ilha – está a dar frutos e a aproveitar a “revolução digital”. “Temos uma taxa de apoio de 60% ao investimento privado, a fundo perdido”, enfatizou o governante.

O primeiro contacto deste CEO da Glintt com o cluster tecnológico terceirense Terceira Tech Island surgiu em março, no âmbito de conversações com o executivo açoriano. Automaticamente houve um fator do projeto que lhe despertou especial interesse: “as pessoas”. “Foi o facto de o governo regional ter criado um programa que permite ter quadros qualificados e apoiar a fixação dos mesmos aqui na Praia da Vitória e na Glintt, para que possamos ter condições para trabalharem”, explicou Nuno Vasco Lopes aos meios de comunicação social, na cerimónia de inauguração do novo espaço.

Segundo o empresário, o interesse da holding é investir num projeto em que se coloca as pessoas em primeiro plano, sobretudo quando se trata de uma organização onde a média dos recursos humanos têm 36 anos. “Temos também uma presença já significativa em termos de apoio aos nossos clientes nesta região, hospitais e farmácias locais, portanto, insere-se numa lógica de aproximação”, acrescentou.

De acordo com o diretor executivo da Glintt, o recrutamento irá continuar para o desenvolvimento de software próprio. Aos jornalistas, Nuno Vasco Lopes contou que a multinacional de Tecnologias de Informação (TI) já tinha equipas no terreno, sobretudo nas ilhas de São Miguel e da Terceira, mas o investimento permite dar melhor resposta à grande clientela: unidades hospitalares e farmácias.

Atualmente a tecnológica desenvolve software para cerca de duas centenas de hospitais e 14 mil farmácias, em seis geografias (Portugal, Espanha, Irlanda, Inglaterra, Brasil e Angola), sendo que o peso do setor da saúde no volume de negócios da empresa de TI é atualmente de 75%.

Em fevereiro, em entrevista ao Jornal Económico, a diretora do Healthcare da Glintt já tinha explicado que o objetivo para este ano era criar sistemas que permitissem a recolha e tratamento da informação disponível para prever necessidades e satisfazê-las.

“Olhamos para a tecnologia não como um fim em si mesmo, mas como uma forma de promover melhores cuidados de saúde e maior equidade no acesso aos mesmos, a custos controlados. Usamos a tecnologia para que ela permita que os profissionais e gestores tenham informação em tempo real e possam atuar sobre a mesma de forma preditiva, ou seja, conseguir analisar os dados que têm hoje em dia e que são muitos”, afirmou Filipa Fixe.

*A jornalista viajou até à Ilha Terceira a convite da SDEA

Ler mais
Recomendadas

BNI Europa agravou prejuízos para 6,6 milhões de euros até junho

O ativo líquido total era em junho passado de 351,5 milhões de euros, neste caso menos 66,5 milhões de euros face a junho de 2019.

Banco de Portugal obriga financeiras em regime de livre prestação de serviços a reporte

Centenas as instituições estão registadas em Portugal como instituições de crédito da União Europeia em regime de livre prestação de serviços e entidades de moeda eletrónica com sede na Europa em regime de livre prestação de serviços, caso dos bancos digitais N26, Openbank ou Revolut.

Transportes Metropolitanos de Lisboa aprovado pelo Conselho Metropolitano

A Área Metropolitana de Lisboa detém a totalidade da empresa, que vai o património da empresa OTLIS – Operadores de Transportes da Região de Lisboa.
Comentários