Telemóveis das princesas do Dubai foram vigiados com spyware Pegasus

Emirados Árabes Unidos, a Índia, o Azerbaijão, Marrocos, o México, Hungria, Arábia Saudita, Ruanda, Cazaquistão e Bahrain são alguns dos países que usaram esta tecnologia para vigiarem jornalistas, ativistas e advogados.

As princesas Latifa e Haya Bint al-Hussein, a filha do emir do Dubai e a ex-mulher, tiveram os seus números de telefone vigiados, revela a investigação ao spyware Pegasus da empresa israelita NSO Group, avança a “BBC”.

O nome de Latifa tornou-se viral depois de uma investigação da “BBC”, em que a filha do governante do Dubai admitia em vídeo que estava a ser mantida refém pelo seu pai e que temia pela sua vida. Por sua vez, a princesa Haya, ex-mulher do emir, abandonou o Dubai em 2019, tendo fugido para o Reino Unido com os dois filhos.

Inicialmente, a investigação do “The Guardian” encontrou uma lista onde constavam 180 números de telefone que estariam a ser supervisionados através de escutas, mas a “BBC” adianta agora que a lista de telefone alvos do spyware aumentaram para os 50 mil. O presidente francês Emmanuel Macron e a editora Roula Khalaf do “Financial Times” estão também entre os visados.

A presença dos números de telefone das duas princesas levanta agora dúvidas relativamente à sua importância para os clientes governamentais do NSO Group. A Amnistia Internacional já veio a público garantir que esta descoberta vem implicar a empresa de tecnologia israelita no “catálogo de violações dos direitos humanos”.

Há vários meses que ninguém sabe do paradeiro da princesa Latifa, que desde que tentou fugir, em 2018, foi mantida numa propriedade do pai transformada em prisão temporária. De relembrar que a princesa Latifa conseguiu escapar dos Emirados Árabes Unidos e entrar num barco que se deslocava no Oceano Índico quando foi levada de volta para o Dubai, a mando do próprio pai.

Também Haya Bint al-Hussein abandonou o Dubai com os seus dois filhos em 2019, tendo acusado o seu então marido de sequestro, tortura e intimidação. Refugiada no Reino Unido, a princesa Haya da Jordânica pediu o divórcio e a guarda dos seus filhos, que partilha com o emir, e ainda proteção contra o casamento forçado. O Rei da Jordânia, e seu irmão, deu-lhe a segurança de que não seria repatriada para o Dubai e atualmente, Haya trabalha como diplomata da Jordânia no Reino Unido.

De acordo com as alegações após a fuga, Haya abandonou o território dos Emirados após confirmar o que o seu então marido estava a fazer com as suas próprias filhas, as princesas Latifa e Shamsa.

Os dados apontam que os Emirados Árabes Unidos, a Índia, o Azerbaijão, Marrocos, o México, Hungria, Arábia Saudita, Ruanda, Cazaquistão e Bahrain estão entre os países que emitiram mais pedidos de vigilância. De acordo com a NSO Group, foram vários os governos que compraram o spyware, com a empresa a insistir que a responsabilidade é das entidades governamentais e que estes estão contratualmente obrigados a utilizar o Pegasus apenas como uma ferramenta de espionagem para combater “crimes graves e terrorismo”.

Relacionadas

Macron visado no caso de espionagem do Pegasus

O presidente francês ainda não comentou o ataque que remete para uma investigação publicada no domingo que revelou que o spyware, feito e licenciado pela empresa israelense NSO, foi usado em tentativas e sucesso de espionagem.

Dona do Pegasus nega acusações de espionagem a jornalistas e ativistas

O grupo israelita NSO considerou esta segunda-feira “fraca” a investigação que envolve o seu ‘software’ em casos de espionagem a ativistas, jornalistas, políticos e outras personalidades importantes, publicada no domingo por um consórcio internacional de órgãos de comunicação social.

Governos usaram tecnologia israelita para vigiar jornalistas e ativistas em todo o mundo

Os governos da Hungria, México, Marrocos ou Emirados Árabes Unidos vigiaram dezenas de jornalistas, usando um software que acede ao telemóvel permitindo extrair informação, mas também gravar conversas e filmar.
Recomendadas

Prémio Literário Revelação Agustina Bessa-Luís recebe candidaturas até 31 de julho

O Prémio Literário Revelação Agustina Bessa-Luís terá o valor de 10 mil euros e o livro premiado será editado pela Gradiva.

O luxo da Penha Longa em sua casa

Seja um brunch, um barbecue, uma cataplana ou a festa de anos do seu filho, receba os seus convidados com a mestria  dos profissionais da Penha Longa. O que escolher é entregue em sua casa, ou pode ir levantar ao hotel.

Se está na cidade, refresque os sentidos num jardim botânico

Há paraísos escondidos no coração das cidades que nos contam segredos da história da botânica e convidam a passeios relaxantes. Sugestão para refrescar as ideias e os sentidos no fim de semana.
Comentários