Telemóvel de Jeff Bezos alvo de ataque da Arábia Saudita

A análise forense ao dispositivo revela que a mensagem enviada da conta de Mohammed bin Salman continha um ficheiro encriptado que permitiu a transferência de dados pessoais do dono do jornal Washington Post.

O telemóvel do multimilionário e dono da Amazon e do Washington Post terá sido ‘hackeado’ em 2018 pela Arábia Saudita. A intrusão aconteceu depois de Jeff Bezos ter recebido uma mensagem do alegado número de telemóvel pessoal do príncipe saudita, Mohammed bin Salman, avança o The Guardian.

Os sauditas já tinham sido implicados neste caso ao longo das investigações, mas agora o jornal britânico relaciona a intrusão com uma mensagem enviada da conta do próprio Mohammed bin Salman que continha, alegadamente, um vírus encriptado que permitiu a intrusão no aparelho e posterior roubo de informação.

A investigação forense detalha que em 2018 após receber uma mensagem no WhatsApp que terá sido aparentemente enviada da conta do príncipe da Arábia Saudita, um grande volume de informação privada — incluindo fotografias privadas — foi extraído do telemóvel de Bezzos.

O próprio Bezos solicitou uma análise forense ao dispositivo, depois de, em fevereiro de 2019, ter acusado o tablóide norte-americano National Enquirer de ter ameaçado publicar as fotografias íntimas roubadas, caso o Washington Post continuasse uma investigação que tinha como alvo o jornal.

Em janeiro, o National Enquirer noticiou uma relação extraconjugal entre Bezos e Lauren Sanchez, uma antiga apresentadora de televisão. A revelação do caso, apontado como o principal motivo para o divórcio entre Jeff Bezos e MacKenzie Bezos, foi acompanhada de mensagens privadas trocadas entre o multimilionário e Sanchez.

Louco ano de Bezos. Divórcio custou-lhe oito mil milhões de euros mas ainda é o mais rico do mundo

Gavin de Becker, o especialista contratado por Bezos para descobrir os responsáveis pela fuga de informação, relaciona a acção da Arábia Saudita e o alegado conluio com o National Enquirer com a cobertura noticiosa do Washington Post sobre a morte do jornalista saudita Jamal Khashoggi, seu colaborador, assassinado em 2018 no consulado saudita em Istambul, na Turquia.

“Os nossos investigadores e peritos concluíram, com grande confiança, que os sauditas acederam ao telemóvel de Bezos e conseguiram acesso a informação privada”, escreveu de Becker num extenso artigo para o site Daily Beast, em Março de 2019. O investigador detalhou ainda a “relação próxima” que o príncipe saudita desenvolveu com David Pecker, responsável pela American Media, grupo que detém o National Enquirer.

Especialistas sauditas contaram ao The Guardian que acreditavam que Bezos estava a ser alvo por ser dono do Washington Post e pela cobertura que o jornal fazia sobre a Arábia Saudita. As colunas de opinião publicadas no jornal da autoria de Khashoggi, sobre Mohammed bin Salman e a sua campanha de opressão contra ativistas e intelectuais, irritaram o príncipe herdeiro e seu círculo interno.

Ler mais
Recomendadas

Fidelidade compra 1 milhão de euros em obrigações do BCP

Em causa estão três operações de aquisição, realizadas na quinta-feira, sendo que na primeira a Fidelidade comprou 400 mil euros em obrigações, na segunda 200 mil euros e na última outros 400 mil euros.

Fiverr: plataforma que liga empresas a ‘freelancers’ já fala português

A Fiverr registou um crescimento de 73% de visitantes portugueses no primeiro semestre de 2020.

ACT deteta indícios de 21 ‘falsos recibos verdes’ no serviço educativo de Serralves

Luísa Guimarães referiu que os trabalhadores foram separados em dois grupos (um com 10 trabalhadores que iniciaram funções entre 1999 e 2016 e outro com 11 trabalhadores que iniciaram funções a partir de 2017 e até março deste ano), e que “os prazos terminam em 02 de outubro num e em 05 de outubro no outro”.
Comentários