“Temos que voltar às reformas estruturais”, defende Álvaro Santos Pereira

O diretor do Departamento de Estudos da OCDE defende também que os bancos devem continuar a reduzir o crédito malparado. “Quando os bancos não estão de boa saúde, a economia não pode estar de boa saúde”, afirmou.

Álvaro Santos Pereira, diretor do Departamento de Estudos da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento (OCDE), instou esta quinta-feira Portugal a “regressar” às reformas estruturais, como forma de potenciar o crescimento económico do país e enfrentar o desacelerar projetado pela instituição nos próximos anos.

“Se Portugal está a crescer perto de 2% foi porque há anos atrás se fizeram reformas estruturais importantes que fizeram libertar o crescimento económico e baixar o desemprego”, disse Álvaro Santos Pereira, em declarações à RTP3, a partir de Paris. “Temos que voltar às reformas estruturais. Precisamos de melhorar a nossa competitividade, precisamos de apostar em políticas que dinamizem a nossa produtividade que é muito baixa e tem crescido a ritmos demasiado baixo, e precisamos de estar a crescer como outros países da Europa de Leste estão a crescer”, acrescentou.

Na sede da organização que esta quinta-feira divulgou o “Economic Outlook”, o antigo ministro da economia português alertou para a necessidade de colocar a desaceleração prevista para o crescimento do PIB português até 2021 num contexto de abrandamento mundial.

A OCDE projeta que a economia portuguesa cresça 1,9% este ano, subindo ligeiramente as projeções face ao relatório publicado em maio, quando via o PIB a crescer 1,8%, e alinhando com as previsões do Governo, mas corta as projeções para 2020 e vê o PIB a expandir 1,8%, desacelerando para 1,7% em 2021.

“É importante pôr as coisas em contexto: estamos a prever uma grande desaceleração da economia mundial. Há um ano atrás, estava a crescer cerca de 4% ao ano, neste momento estamos a prever que vai ser 2,9% e para o próximo ano 3%. São taxas de crescimento da economia mundial mais baixas desde a crise internacional”, frisou, sublinhando que “também se prevê na Europa por causa das tensões comerciais, do Brexit, vai desacelerar muito”, que deverá ter uma expansão de 1,2%.

Santos Pereira destacou que “parceiros económicos importantes” de Portugal como a Alemanha deverá crescer 0,5% e Espanha 1,6%.

“A economia portuguesa como é uma economia aberta é afetada pela conjuntura internacional e prevemos que este ano vamos ter um crescimento de 1,9%, para o ano 1,8% e depois 1,7% em 2021”, disse.

O responsável pelos estudos económicos da OCDE realçou ainda a importância de progressos na redução do crédito malparado. “Já se fez muito a nível de recuperar os bancos, mas mesmo assim continuamos com crédito malparado que são demasiado elevados e é importante continuar a diminuir”, disse, realçando que Portugal é o terceiro país com níveis mais elevados na OCDE.

“Quando os bancos não estão de boa saúde, a economia não pode estar de boa saúde”, destacou.

OCDE, mais pessimista que o Governo, vê economia nacional a crescer 1,8% no próximo ano

Ler mais

Relacionadas

OCDE, mais pessimista que o Governo, vê economia nacional a crescer 1,8% no próximo ano

A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico projeta que o crescimento do PIB continue a desacelerar até 2021. O menor consumo das famílias contribui para esta evolução, mas aumento das exportações deve resistir “devido aos ganhos de competitividade”.

OCDE corta crescimento da economia mundial para 2,9% e apela a ação política concertada

A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento projeta um crescimento do PIB mundial de 2,9% no próximo ano e da zona euro de 1,2%. Instituição alerta para a necessidade de ações políticas “imediatas” para diminuir a incerteza internacional e aumentar a resiliência contra os riscos.
Recomendadas

Portugal promove “soluções para impacto assimétrico da crise”, garante ministro das Finanças

“Chegámos a um acordo sem precedentes que permite a emissão de dívida europeia em larga escala para financiar a recuperação economia europeia através dos programas de recuperação europeus”, referiu João Leão depois da reunião do G20.

Lei que acelera levantamento das penhoras entra em vigor amanhã

Na origem desta lei, publicada esta sexta-feira, está uma proposta do Governo – alvo de várias alterações durante a discussão na especialidade, no parlamento – de alteração a diversos códigos fiscais.

Nazaré da Costa Cabral: “Existe uma grande incerteza quanto ao desempenho da economia em 2021”

A presidente do Conselho das Finanças Públicas, Nazaré da Costa Cabral, diz que a situação da economia portuguesa é “complexa”, estando dependente da evolução da pandemia e da capacidade de recuperar da “má imagem” internacional para voltar a conquistar turistas.
Comentários