Ter estudos é sinónimo de melhor salário em Portugal

Na OCDE, 68% dos adultos com ensino superior têm remuneração maior do que a mediana. Em Portugal, o número sobe para 80%.

Estudar protege do desemprego e implica um salário maior nos países da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico), grupo em que Portugal está incluído, conclui o “Education at Glance 2018”.

Na OCDE a probabilidade de ganhar um salário maior que a mediana aumenta com o nível de educação: 68% os adultos com ensino superior têm remuneração maior do que a mediana. Em Portugal esse número sobe para 80%.

“Estudar mais em Portugal protege no desemprego e, em termos salariais, compensa imenso”, destaca Cláudia Sarrico, analista de políticas de ensino superior da OCDE.

Estes e outros dados sobre o ensino superior português vão ser discutidos na conferência inaugural da 1ª sessão da Convenção Nacional do Ensino Superior 20/30, lançada pelo CRUP – Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas. O primeiro encontro tem como tema “O ensino superior e a qualificação dos portugueses: o que falta fazer?” e vai decorrer no ISCTE-IUL, a 7 de janeiro de 2019.

Cláudia Sarrico e Pedro Teixeira, diretor do CIPES, participam nos debates, a que se juntam nomes como Pedro Adão e Silva, Maria Mota e Poiares Maduro, que vão discutir os dados apresentados. A moderação ficará a cargo de João Sàágua, reitor da Universidade Nova de Lisboa e a sessão de encerramento será presidida pelo ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva.

Recomendadas

Portugal é o 28.º país mais atrativo para o talento mundial

Segundo o Global Talent Competitiveness índex 2019, apresentado em Davos, Lisboa é a cidade número 45 a atrair e reter trabalhadores qualificados.

“Trabalhadores precisam de maior soberania sobre o seu tempo”, diz OIT

Organização Internacional do Trabalho recomenda medidas de regulação que estabeleçam um número mínimo de horas garantidas e previsíveis para os indivíduos que exercem funções através do teletrabalho.

Salário adequado e limitação das horas de trabalho entre as preocupações da OIT

Recomendação é uma das dez listadas no relatório “Work for a brighter future” que antecipa que a inteligência artificial, a automação e a robótica irão originar a perda de alguns postos de trabalho e tornar competências obsoletas, mas por outro lado originar novos empregos.
Comentários