Terras ao abandono vão pagar IMI mais alto

A avaliação geral da propriedade rústica vai abranger cerca de 11,5 milhões de terrenos de norte a sul do país.

Os proprietários de terras que as deixarem ao abandono vão passar a pagar mais Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI), avança o Correio da Manhã esta sexta-feira, 14 de junho.

A avaliação geral da propriedade rústica vai abranger cerca de 11,5 milhões de terrenos de norte a sul do país, segundo os dados do fisco. Desta forma, o IMI vai funcionar como fator de incentivo ao ordenamento do território e à promoção da agricultura.

O início dos trabalhos técnicos de avaliação dos terrenos rústicos é definido pela Autoridade Tributária. No seu plano de atividades para este ano, a AT define esta avaliação como um “dos projetos relevantes planeados para 2019”.

A avaliação geral já está a ser aplicada como teste-piloto a sul do Tejo, com esta zona a ser escolhido devido à maior dimensão das terras e a uma maior facilidade em elaborar o seu cadastro, escreve o CM. Depois, a avaliação será alargada ao resto do país.

As receitas do IMI de terrenos rústicos atingiram os 7,7 milhões de euros em 2017, um valor bastante abaixo dos 1,48 mil milhões de euros gerados com os imóveis urbanos.

Recomendadas

PremiumQueda da população ativa pode impedir recuperação económica rápida

A taxa de desemprego desceu no segundo trimestre, mas o impacto da pandemia no turismo e o aumento da concorrência global na era do teletrabalho preocupam os especialistas consultados pelo JE.

Estigma com produtos da China e quebra de turistas deixam restaurantes chineses em crise

Os restaurantes chineses sofrem mais quebras no negócio do que os restaurantes nacionais devido ao estigma associado a produtos da China, país onde o novo coronavírus foi detetado pela primeira vez, e porque o turista asiático deixou de visitar Portugal.

Covid-19: Direção do consumidor emite quatro alertas no mesmo dia sobre máscaras

Quatro modelos de máscaras com insuficiente retenção de partículas no material filtrante foram na semana passada, num só dia, motivo de alertas da Direção-geral do Consumidor (DGC) e sistema europeu de alerta rápido para produtos não alimentares (Rapex).
Comentários