Terras ao abandono vão pagar IMI mais alto

A avaliação geral da propriedade rústica vai abranger cerca de 11,5 milhões de terrenos de norte a sul do país.

Os proprietários de terras que as deixarem ao abandono vão passar a pagar mais Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI), avança o Correio da Manhã esta sexta-feira, 14 de junho.

A avaliação geral da propriedade rústica vai abranger cerca de 11,5 milhões de terrenos de norte a sul do país, segundo os dados do fisco. Desta forma, o IMI vai funcionar como fator de incentivo ao ordenamento do território e à promoção da agricultura.

O início dos trabalhos técnicos de avaliação dos terrenos rústicos é definido pela Autoridade Tributária. No seu plano de atividades para este ano, a AT define esta avaliação como um “dos projetos relevantes planeados para 2019”.

A avaliação geral já está a ser aplicada como teste-piloto a sul do Tejo, com esta zona a ser escolhido devido à maior dimensão das terras e a uma maior facilidade em elaborar o seu cadastro, escreve o CM. Depois, a avaliação será alargada ao resto do país.

As receitas do IMI de terrenos rústicos atingiram os 7,7 milhões de euros em 2017, um valor bastante abaixo dos 1,48 mil milhões de euros gerados com os imóveis urbanos.

Recomendadas

Governo cria grupo de trabalho para preparar Web Summit até 2028

O ‘Grupo de Trabalho Web Summit Portugal 2019-2028’ vai entrar em vigor já este ano, com o objetivo de “assegurar a organização e a coordenação da Web Summit, em cada ano do período de 2019 a 2028”.

Governo envia hoje para o Parlamento e Bruxelas esboço do Orçamento do Estado para 2020

Documento segue primeiro para a Assembleia da República e depois para a Representação Permanente de Portugal junto da União Europeia, que reencaminha para Bruxelas.

Marca Portugal vale mais de 190 mil milhões de euros, diz consultora

Num ranking de cem países, elaborado pela Brand Finance, a marca Portugal surge na posição 48, à frente de países como Egito, Peru, Hungria, Eslováquia, Luxemburgo e Grécia. Contudo, países como Roménia, África do Sul, Nova Zelândia, Cazaquistão, Irão, Vietname ou Qatar surgem à frente de Portugal.
Comentários