Tesla pode entrar no S&P 500, estima Reuters

A empresa gerida por Musk conta com uma capitalização de mercado de 250 mil milhões de dólares, maior do que 95% das empresas já pertencentes ao índice norte-americano.

Gigafactory Tesla

A fabricante de veículos elétricos Tesla parece estar a pregar a fundo para se juntar ao índice norte-americano Standard & Poor’s 500 (S&P 500), depois de se tornar a fabricante de automóveis mais valiosa do mundo em Wall Street. Segundo a agência noticiosa “Reuters”, esta pode ser a maior conquista do fundador da empresa, Elon Musk, e caso se concretize, poderá desencadear uma nova procura pelas ações da empresa, que desde o ano passado já aumentaram 500%.

O segundo trimestre revelou os bons resultados nas entregas de veículos e fez com que os analistas se mostrassem mais crentes de que a empresa consiga atingir, pela primeira vez, o lucro, um pontos-chave para entrar no índice S&P 500.

Atualmente, a empresa gerida por Musk conta com uma capitalização de mercado de 250 mil milhões de dólares, maior do que 95% das empresas já pertencentes ao S&P 500. De acordo com o analista Howard Silverblatt, ouvido pela “Reuters”, a única empresa numa situação comparável é a Yahoo, em 1999.

Antes da entrada no novo século, a Yahoo valorizou 64% em cinco dias, desde o dia em que foi realizado o anúncio de entrada no índice, a 30 de novembro, e a entrada final, a 7 de dezembro. Na altura, a capitalização de mercado da Yahoo era de 56 mil milhões de dólares.

Para que a Tesla consiga entrar no índice, Ivan Cajic, chefe de investigação do Virtu Financial disse à mesma fonte que os gestores dos índices iram ter de deter perto de 25 milhões de ações, que atualmente estão avaliadas em 34 mil milhões de dólares Nas últimas oito sessões bolsistas, a Tesla valorizou 43% e cada ação está avaliada, à data de hoje, em 1.437 dólares.

Recomendadas

Assista agora à JE editors Talks: Energia Solar

Assista agora e conheça o potencial português na área da energia solar e saiba que importância esta terá no futuro do fornecimento de energia nacional.

Lucros do Grupo Crédito Agrícola caem 33% no primeiro semestre para 50 milhões de euros

As imparidades constituídas de 391 milhões de euros penalizaram o resultado líquido consolidado do Crédito Agrícola no primeiro semestre de 2020.

Regulador aprova alteração de marca da EDP Distribuição para E-REDES

Em comunicado, o regulador refere que a alteração da imagem e denominação da gestora das redes de distribuição de energia “será implementada de forma gradual, por forma a assegurar a neutralidade de custos para os consumidores de eletricidade”.
Comentários