Trabalhadores da TSF ameaçam com greve se Global Media não esclarecer reestruturação do grupo

Os trabalhadores da rádio TSF ameaçaram recorrer à greve se a administração da Global Media não esclarecer dentro de dez dias questões relacionadas com a anunciada reestruturação do grupo.

“Os trabalhadores da TSF decidiram conceder um prazo de dez dias para obter uma resposta – por escrito – por parte dos destinatários, findo o qual se reservam o direito de utilizar todas as formas de luta ao seu dispor, incluindo o recurso à greve” lê-se num comunicado divulgado hoje.

Segundo o texto, “desde o anúncio da nova reestruturação [do Global Media Group], a instabilidade na TSF tem sido grande, agravada por atrasos no pagamento de salários a trabalhadores efetivos e colaboradores”.

Reunidos em plenário na sexta-feira, os trabalhadores da TSF decidiram, “com o apoio do Sindicato dos Jornalistas e do Sindicato dos Trabalhadores das Telecomunicações e Comunicação Audiovisual”, exigir ao presidente do Global Media Group, Daniel Proença de Carvalho, e aos acionistas Kevin Ho, José Pedro Soeiro e Rolando Oliveira um esclarecimento, por escrito e no prazo de dez dias, a várias questões que querem ver clarificadas.

Desde logo, os trabalhadores daquela rádio querem “um esclarecimento claro e cabal de quem tem poder de decisão dentro da empresa sobre a reestruturação anunciada, incluindo rescisões por mútuo acordo e um eventual despedimento coletivo, número de trabalhadores a dispensar, critérios para esses despedimentos e datas para que esta reestruturação avance”.

Exigem também a divulgação imediata das contas de 2018, “com as devidas explicações sobre as opções de gestão que levaram ao atual estado do Global Media Group, nomeadamente investimentos feitos em áreas que não tiveram o retorno esperado, prejudicando todo o grupo”.

Também a demissão do diretor da TSF, Arsénio Reis, anunciada em 07 de novembro e contestada pelos trabalhadores, é alvo de um pedido de clarificação, uma vez que as explicações avançadas pela empresa para esta saída não convenceram os trabalhadores”.

Ainda é pedido “um esclarecimento cabal sobre o futuro do grupo, nomeadamente em termos editoriais, e em especial daquilo que se pretende para a TSF – Rádio Notícias”, o cumprimento do pagamento de salários aos trabalhadores, “efetivos e colaboradores”, e o “cumprimento do pagamento de subsí­dio de Natal”.

Na quinta-feira, dia 07, a Global Media anunciou que o jornalista Arsénio Reis ia deixar a direção editorial da rádio TSF para exercer novas funções relacionadas com a internacionalização do grupo.

“No contexto da reestruturação do Global Media Group e das estratégias em curso para as suas várias marcas, Arsénio Reis foi convidado a aceitar um novo desafio, estratégico, ligado à internacionalizaçãoo do grupo e a uma nova visão de futuro”, indicava o comunicado interno a que a Lusa teve acesso.

Arsénio Reis, na direção da rádio desde julho de 2016, vai ser substituído interinamente por Pedro Pinheiro, atualmente diretor-adjunto.

Em 2014, quando a TSF ainda era detida pela Controlinveste Conteúdos, uma restruturação do grupo levou ao despedimento de 160 trabalhadores, 64 dos quais jornalistas.

Ler mais
Recomendadas

Trabalhadores da TSF não avançam já para greve, mas exigem esclarecimentos

Os trabalhadores da TSF decidiram hoje não avançar para uma greve, apesar de deixarem essa forma de luta em aberto, exigindo que a administração esclareça o processo de reestruturação e qual o número de efetivos que vão ser dispensados.

BCE mantém as exigências de capital ao BPI para 2020

Aí estão os requisitos de capital que o BCE impõe ao BPI para 2020 em função da qualidade do seu balanço. Estes requisitos implicam que o patamar mínimo de CET1 a partir do qual o Banco BPI teria restrições, em 2020, às distribuições de dividendos, é de 9.38%. O BPI tem um rácio de capital core de 12,7% a 30 de setembro deste ano.

Reestruturação da SATA vai “doer”, diz presidente da empresa

O novo presidente do conselho de administração da SATA indigitado, Luís Rodrigues, admitiu hoje, numa audição parlamentar na cidade da Horta, nos Açores, que as medidas de reestruturação da empresa vão “doer”, mas não esclareceu a quem.
Comentários