Tráfego de carros na rede da Brisa cresceu 3,7% em 2019

O tráfego foi negativamente influenciado pelo efeito de calendário, pela greve dos motoristas de veículos pesados em agosto, e pelas condições meteorológicas desfavoráveis no quarto trimestre de 2019.

O TMD – Tráfego Médio Diário na rede principal da BCR – Brisa Concessão Rodoviária registou um crescimento  de 3,7% no ano passado, para um total de 21.373 veículos.

De acordo com um comunicado enviado há minutos pela Brisa à CMVM – Comissão do Mercado de Valores Mobiliários, “em 2019, todas as autoestradas continuaram a apresentar valores positivos de TMD e taxas de crescimento estáveis”.

Segundo esse documento, o “tráfego aumentou 3,7% em 2019, suportado por um crescimento orgânico de 4,4%”.

“O tráfego foi negativamente influenciado pelo efeito de calendário, pela greve dos motoristas de veículos pesados em agosto, e pelas condições meteorológicas desfavoráveis no quarto trimestre de 2019”, explica a empresa liderada por Vasco de Mello.

Mesmo assim, o crescimento de tráfego foi mais notório nos veículos pesados, com uma subida de 4,5%, contra a subida de 3,6% verificada ao longo do ano passado nos veículos ligeiros.

No final de 2019, a estrutura de tráfego na rede da BCR era de 5,7% para os veículos pesados, sendo os restantes 94,3% da responsabilidade dos veículos ligeiros.

 

 

 

Ler mais
Recomendadas

Huawei já tem 91 contratos para fornecer tecnologia 5G pelo mundo

Apesar da pressão dos EUA sobre países aliados para excluírem a empresa chinesa da expansão das suas redes, 47 dos contratos assinados até agora foram feitos na Europa, 27 na Ásia e os restantes 17 em países não especificados.

Antonoaldo Neves: Quem vai pagar os prejuízos da TAP com a suspensão de 90 dias nos voos para a Venezuela?

A suspensão da TAP nos seus voos para a Venezuela representam prejuízos de pelo menos 10 milhões de euros, referiu o presidente executivo da TAP no final da conferência de imprensa de apresentação dos resultados de 2019.

Efacec assegura que “reúne todas as condições” para pagar salários e a fornecedores

Empresa afasta qualquer cenário de incumprimento, após Isabel dos Santos, que detém perto de 70% da Efacec, ter alertado hoje em comunicado de que o congelamento de contas das suas empresas se estende ao bloqueio de ordens de pagamento de salários, impostos a fornecedores e à Segurança Social.
Comentários