Transição para a economia de baixo carbono já começou e não há forma de a travar

Sofia Santos, secretária geral do BCSD Portugal – Conselho Empresarial para o Desenvolvimento Sustentável, refere que ao contrário do que defendeu Donald Trump, o Acordo de Paris não bloqueia o desenvolvimento das energias limpas.

“Ao longo desta semana soubemos que a União Europeia e a China estão alinhadas no combate às alterações climáticas. É um facto notável! Em Portugal, com o apoio do ministério do ambiente e do ministério da economia, as empresas associadas do BCSD também estão comprometidas com o Acordo de Paris, nomeadamente através do projeto Meet 2030″, defende Sofia Santos, secretária geral do BCSD Portugal – Conselho Empresarial para o Desenvolvimento Sustentável, em resposta ao anúncio da retirada dos EUA do Acordo de Paris.

A responsável admite mesmo que ao contrário do que defendeu Donald Trump no seu discurso, o Acordo de Paris não bloqueia o desenvolvimento das energias limpas e não contribui para a perda de empregos, salários mais baixos ou encerramento de fábricas. As oportunidades económicas para os países e para as empresas resultantes do Acordo de Paris estão identificadas e são inegáveis. A transição para a economia de baixo carbono já começou e não há forma de a travar”.

Segundo a organização We Mean Business, a implementação do Acordo de Paris vai permitir atividades económicas de, pelo menos 13,5 biliões, nos próximos 15 anos. Também o recente relatório Better Business, Better World da Business & Sustainable Development Commission, evidencia que as oportunidades de negócio criadas pelos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) – que incluem o combate às alterações climáticas – estão avaliadas, em pelo menos, 12 biliões de dólares por ano, sendo que os ODS podem gerar até 380 milhões de novos empregos até 2030.

“Tendo em conta a limitação do aumento da temperatura do planeta de 1,5 a 2 graus previsto no Acordo de Paris, no BCSD estamos a identificar potenciais oportunidades e inovações que possam criar vantagens competitivas para as empresas, de forma a promover um crescimento sustentável da economia e, obviamente, a criação de emprego”, acrescenta Sofia Santos.

Recomendadas

Incêndios: Vinte concelhos de sete distritos em risco máximo

Vinte concelhos dos distritos de Portalegre, Castelo Branco, Santarém, Leiria, Guarda, Bragança e Faro apresentam quinta-feira um risco máximo de incêndio, segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

Rio de Janeiro multa bares e restaurantes que oferecem palhinhas de plástico

As autoridades do Rio de Janeiro começaram hoje a multar os cafés, restaurantes e bares de praia da emblemática cidade brasileira que oferecem palhinhas de plástico aos clientes. ”Estamos na vanguarda de uma grande luta em defesa do meio ambiente”.

Sismo de 2,7 na escala de Richter sentido na Terceira

De acordo com o Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros dos Açores, o ‘abanão’ foi “sentido em Angra do Heroísmo” e o CIVISA “continua a acompanhar o evoluir da situação, emitindo novos comunicados caso necessário”.
Comentários