Transinsular é o primeiro armador nacional a retomar ligações diretas com Cabo Verde

Trata-se de um serviço regular direto (sem transbordo) com frequência quinzenal, desde Portugal (Lisboa e Leixões) para a Praia e Mindelo, que terá conexão com o serviço Atobá Interilhas, com serviço regular para as ilhas do Sal e Boavista. Vai arrancar no próximo sábado, dia 11 de abril.

A Transinsular, empresa do Grupo ETE, é o primeiro armador português a retomar as ligações diretas de Lisboa a Cabo Verde, no transporte marítimo de carga internacional, estando previsto que esse serviço arranque a partir do próximo sábado, dia 11 de Abril.

Trata-se de um serviço regular direto (sem transbordo) com frequência quinzenal, desde Portugal (Lisboa e Leixões)
para a Praia e Mindelo, que terá conexão com o serviço Atobá Interilhas, com serviço regular para as ilhas do Sal e Boavista.

Os responsáveis da Transinsular garantem que o serviço em causa, designado ‘Cabo Verde Expresso’, proporciona o  menor ‘transit-time’ do mercado, com uma ligação Lisboa – Leixões para a Praia – Mindelo) em sete dias.

O serviço será operado com navios operados pela Transinsular.

“Com o menor ‘transit-time’ do mercado, a Transinsular – armador português, detido pelo Grupo ETE – oferece, através do serviço ‘Cabo Verde Expresso’, o transporte marítimo regular de carga geral e contentorizada (seca e frigorífica), com ligação direta, entre Portugal e Cabo Verde, permitindo responder com eficiência, fiabilidade e rapidez às necessidades atuais dos seus clientes”, destaca um comunicado da Transinsular.

Segundo esse documento, “a conexão com o serviço Atobá Interilhas – serviço regular de carga local que oferece em Cabo Verde – também se destaca como uma vantagem acrescida, na medida em que assegura o abastecimento regular e local do arquipélago, contribuindo para a manutenção quer das importações como das exportações, daquele país”.

Para os responsáveis da Transinsular, o novo serviço ‘Cabo Verde Expresso’, “garante resposta em primeira mão a partir do porto de Lisboa, para Cabo Verde.

“Num contexto atual em que face à Covid-19 se vive algum constrangimento nos portos, a Transinsular – através deste serviço – ‘Cabo Verde Expresso’ – assegura novamente em primeira mão a saída de carga de Lisboa-Leixões para Praia-Mindelo (sem transbordo) (…)”, acrescentando que “a configuração deste serviço confere à Transinsular uma posição privilegiada no mercado nacional e internacional, salientado-se a importância do abastecimento de produtos oriundos da Europa no arquipélago de Cabo Verde, nomeadamente frescos.

A Transinsular sublinha que, com este novo serviço, oferece ligações diretas e regulares entre Lisboa- Leixões-Praia-Mindelo, e para Palmeira e Sal Rei, através do serviço Atobá, com frequência a cada 15 dias, detendo agências próprias nestes quatro portos.

Segundo Matthieu Roger, CEO da Transinsular, “esta resposta perante a situação atual, permite à Transinsular
responder aos seus clientes com prontidão e com o mesmo compromisso, permitindo inclusivé a retoma de
otimização de custos aos próprios que no último mês tinham que transportar a sua carga somente através de
Leixões”.

“Desta forma, a Transinsular volta a permitir o normal e regular fluxo de distribuição das suas mercadorias para o mercado de Cabo Verde, sem qualquer alteração, cumprindo os melhores tempos de trânsito do mercado desde sempre oferecidos aos nossos clientes”, destaca este responsável, adiantando que “é também uma oportunidade de consolidar ainda mais a nossa posição como o parceiro certo para a exportação e importação de produtos para aquele arquipélago”.

Matthieu Roger sublinha que “o facto da Transinsular deter também a conexão deste serviço internacional com o serviço nacional de carga regular no arquipélago (Atobá Interilhas), permite a rotação de mercadorias de forma inversa, mantendo o nível de exportação do país – sobretudo de peixe – para a Europa, e ainda garantir o seu acesso e ligação a outros mercados como Espanha e o Norte da Europa”.

A Transinsular detém uma experiência de mais de 30 anos a operar no mercado de Cabo Verde. Detém atualmente naquele paíse a concessão do transporte marítimo, de passageiros, veículos e cargas, entre ilhas, através da sua participada CV Interilhas, reforçando as sinergias existentes com as restantes operações que gere em Cabo Verde: transporte marítimo de carga entre ilhas, agentes de navegação e operação logística através respetivamente das suas
empresas, Transinsular, Navex e ETE Logística.

Fundado em 1936, o Grupo ETE é um dos maiores grupos nacionais no setor marítimo portuário, integrando as áreas de operação portuária, transporte marítimo, operação logística, transporte fluvial, agentes de navegação, engenharia, construção e reparação naval.

O Grupo ETE reclama a liderança ibérica no transporte fluvial de mercadorias e afirma-se como o maior operador de terminais portuários em Portugal.

Tem uma presença internacional com operações próprias em cinco países (Colômbia, Uruguai, Cabo Verde, Moçambique e Portugal), em três continentes.

Detido exclusivamente por capitais portugueses, o Grupo ETE emprega mais de 900 colaboradores e gera um volume de negócios anual superior a 200 milhões de euros.

Ler mais
Recomendadas

Mais seis casos de Covid-19 em Cabo Verde aumentam total para 542

Dos novos casos, cinco são da ilha de São Vicente, que eleva o total para nove, e o outro foi diagnosticado em Santa Catarina de Santiago, que torna-se no oitavo município do país com casos confirmados da doença.

Número de mortos em África sobe para 4.902 em quase 177 mil casos

Nas últimas 24 horas África teve mais 6.971 infectados e mais 146 mortes.

Futuro de Cabo Verde exige “super governo e super banco central”, diz economista

“As políticas a serem adotadas serão decisivas a nível do futuro que teremos tanto na economia mundial como na economia nacional. Desde já, eu penso que é fundamental termos um plano de estabilização económica e social, que deverá cobrir quatro dimensões”, disse José Luís Neves, secretário-geral da Câmara de Comércio de Sotavento.
Comentários