Tribunal Constitucional rejeita pedido do PSD sobre votos nulos da emigração

A tomada de posse da Assembleia da República e do Governo pode acontecer ainda esta semana.

O Tribunal Constitucional chumbou a reclamação apresentada pelo PSD para que os 35 mil votos nulos dos círculos da emigração fossem reclassificados como abstenção. A informação está a ser avançada pelo jornal “Público” e a confirmar-se a tomada de posse do Governo deve acontecer já no próximo sábado, tal como tinha adiantado o primeiro-ministro, António Costa.

O “Público” indica que fonte do gabinete do presidente da Assembleia da República terá confirmado ao jornal que os juízes do Palácio Ratton decidiram não apreciar a reclamação do PSD. A expectativa é de que os resultados finais das eleições legislativas de 6 de outubro venham a ser publicados ainda esta terça-feira em Diário da República.

O PSD tinha apresentado uma reclamação ao Tribunal Constitucional, onde contesta os resultados eleitorais e exige uma revisão dos votos dos emigrantes. Isto porque, de acordo com o partido liderado por Rui Rio, os boletins de voto não terem sido validados de igual forma por todas as mesas de votos e alguns eles foram considerados como nulos ou abstenção por terem chegado a Portugal sem os respetivos documentos de identificação.

O secretário-geral do PSD, José Silvano, explicou então que a impugnação “em nada altera os deputados eleitos e os resultados, pois só se prende com a forma como os votos nulos – cerca de 35 mil – foram contabilizados”.

“Entendemos que o principio constitucional deve ser o mesmo dos votos em território nacional. O cidadão que se apresente numa assembleia de voto sem o cartão de cidadão não vota. Portanto, deve ser considerado abstencionista. Queremos que o Tribunal Constitucional diga se é abstenção ou voto nulo”, explicou José Silvano.

Também o Aliança pediu a repetição das eleições legislativas para os eleitores residentes no estrangeiro, considerando que a implementação de um método de voto eletrónico será a única forma de evitar que 131.967 portugueses fiquem impossibilitados de exercer o dever cívico, visto que por diversos motivos não chegaram a receber os envelopes com os boletins de voto.

No círculo da Europa, o PS teve 29,06% dos votos e o PSD 18,77%, tendo ambos eleito um deputado cada. Já no círculo Fora da Europa, o PSD teve 33,39% dos votos e o PS 20,19%, elegendo também cada um deputado.

Ler mais
Recomendadas

Justiça e Banco de Portugal avaliam benefícios da comunicação eletrónica com tribunais

Protocolo celebrado entre IGFEJ e BdP permitirá que as cerca de 50 mil notificações anuais, que anteriormente eram feitas em carta por via postal, entre os tribunais e o Banco de Portugal passarão agora a ser feitas por via eletrónica.

Provedora de Justiça recebeu 11,5 queixas por mês devido a descongelamento das progressões

As progressões e alterações de posicionamento remuneratório na função pública continuam a motivar queixas e, entre janeiro e outubro, chegaram ao gabinete da Provedora de Justiça uma média de 11,5 reclamações por mês, número equivalente ao registado em 2018.

Tribunal de Contas chumba prorrogação do contrato de postos telefónicos entre Estado e Meo

O Tribunal de Contas chumbou a prorrogação do contrato com a Meo (Altice Portugal) para a prestação do serviço universal de postos públicos, de acordo com o acórdão disponibilizado no ‘site’ da entidade.
Comentários