Trump quer mais água a correr nas WC

Num evento na Casa Branca, esta sexta-feira, que reuniu Donald Trump e pequenos comerciantes norte-americanos, o presidente dos EUA defendeu a ideia de que os equipamentos instalados nas casas-de-banho restringiram a água a uma simples ‘gota’.

O presidente norte-americano, Donald Trump, considerou que os standards sobre a utilização eficiente da água nos Estados Unidos não são eficazes porque acabam por gastar mais água e deu um exemplo: utiliza-se o autoclismo nas casas de banho entre “dez a 15 vezes, por oposição a uma” dentro das casas com equipamentos low-flow (baixo fluxo), que são mais eficientes na utilização de água

Consequentemente, Donald Trump pretende levar a cabo uma revisão dos standards sobre a utilização eficiente da água a nível federal.

Num evento na Casa Branca, esta sexta-feira, que reuniu Donald Trump e pequenos comerciantes norte-americanos, o presidente dos EUA defendeu a ideia de que os equipamentos instalados nas casas de banho restringiram a água a uma simples ‘gota’.

Segundo a “Bloomberg”, o presidente norte-americano disse que “praticamente já não se pode lavar as mãos porque a torneira deita pouca água”.

“Acontece que deixamos a torneira correr por mais tempo e demora-se mais tempo para lavar as mãos e acaba-se por gastar a mesma quantidade de água”, disse Donald Trump.

Para o presidente dos EUA, é do “senso comum” rever os standards sobre a utilização eficiente da água que, queixou-se, acabaram por resultar em duches “com água a correr calmamente” e em casas de banho que “acabam por gastar mais água” devido a uma utilização repetitiva dos autoclismos.

Ler mais
Recomendadas

Cerca de 7000 pessoas em fuga do Níger

O Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados refere que estas pessoas estão em fuga devido à insegurança e à violência gerada por um ataque à cidade de Chinégodar.

Líbia: Merkel diz que houve acordo para respeitar embargo das armas

A chanceler da Alemanha diz que o embargo será controlado de forma mais rigorosa do que antes.

“Racismo” e “preconceito”. Isabel dos Santos reage a investigação jornalística a nível mundial

Os Luanda Leaks têm 715 mil documentos, entre e-mails, contratos, auditorias, e contas que foram obtidas por uma plataforma de denunciantes em África (PPLAAF), que depois foi partilhada com a ICIJ.
Comentários