Turismo: A Oriente, tudo de novo!

É o tema do 43º Congresso da APAVT – Associação Portuguesa de Agências de Viagens e Turismo que este ano decorre em Macau, em novembro.

“Porque Macau é hoje um furação económico, montra de um vendaval de transformação que nos é trazido pela era da tecnologia, tecnologia que será tratada de forma particularmente relevante no nosso congresso. Porque o Oriente é já o maior mercado emissor mundial e será mais cedo ou mais tarde um novo descobrimento de Portugal enquanto destino turístico. Porque será em Macau que voltaremos a olhar para o futuro das agências de viagens, alicerçados na apresentação do estudo solicitado ao escritório do Professor Augusto Mateus e Associados. Um futuro que, como sempre, se nos apresenta com enormes desafios, mas ainda e sempre pleno de oportunidades, relacionadas com a capacidade de criação de valor que temos sabido integrar na cadeia de distribuição”, foram afirmações proferidas por Pedro Costa Ferreira, presidente da APAVT, na apresentação do Logotipo e do tema do congresso deste ano, que decorre entre os dias 23 e 27 de novembro.

O responsável adiantou ainda que pelo destino turístico, Macau é um caleidoscópio de emoções, culturas, histórias e povos, “uma cidade que representa hoje toda uma centralidade económica mundial que se move em direção ao Oriente, uma verdadeira janela para a mudança económica estrutural que se anuncia e, sobretudo, que já se perceciona”.

Esta edição do congresso vem retomar um destino internacional, depois de oito anos em que a associação deu preferência a destinos nacionais, este ano decidiu realizar o seu congresso anual na Região Administrativa Especial da República Popular da China.

Macau será, no histórico dos seus 52 congressos, destino deste evento pela quinta vez.

 

Recomendadas

Crise dos combustíveis deverá levar a subida de preços dos serviços até 15% em Portugal (com áudio)

O ajustamento em alta acumula-se ao aumento dos preços na ordem dos 5%, atribuído à retoma económica e ao crescimento da procura no período de desconfinamento em Portugal.

OE2022. UTAO alerta para riscos associados à pandemia e regras de Bruxelas

A unidade técnica lembra que as regras orçamentais de Bruxelas foram suspensas na sequência da pandemia, mas um levantamento desta suspensão pode significar que a “consolidação que não se faça nas condições menos exigentes de 2022 terá que ser feita com menos graus de liberdade em 2023 e anos seguintes”.

Financiamento das administrações públicas recua em agosto para 6,2 mil milhões de euros

Este valor em agosto resulta do financiamento em 11,7 mil milhões junto dos bancos residentes, que é compensado pelas rubricas relativas à relação com o restante sector financeiro e com o exterior, em que as administrações públicas nacionais são financiadoras em 3,4 e 2,1 mil milhões de euros, respetivamente.
Comentários