Turismo mundial regista baixa de 70% entre janeiro e agosto, diz OMT

Os meses de verão, habitualmente a época mais forte no hemisfério norte, foram catastróficos: -81% de turistas em julho e -79% em agosto, precisou esta agência das Nações Unidas com sede em Madrid.

As chegadas de turistas internacionais caíram 70% a nível mundial nos primeiros oito meses de 2020 em relação ao ano anterior, devido à pandemia de covid-19, anunciou hoje a Organização Mundial do Turismo (OMT).

Os meses de verão, habitualmente a época mais forte no hemisfério norte, foram catastróficos: -81% de turistas em julho e -79% em agosto, precisou esta agência das Nações Unidas com sede em Madrid.

A queda representa 700 milhões de chegadas a menos e uma perda de 730 mil milhões de dólares (cerca de 617 mil milhões de euros) para o setor turístico mundial, “ou seja, uma perda oito vezes maior do que a registada após a crise financeira mundial de 2009”, indicou a OMT em comunicado.

A região Ásia-Pacífico, a primeira a ser atingida pela pandemia, é a mais duramente afetada (-79%), segue-se a África e Médio Oriente (-69%), a Europa (-68%) e o continente americano (-65%).

A descida registada nos meses de verão na Europa foi ligeiramente menos acentuada (-72% em julho e -69% em agosto), mas “esta recuperação foi de curta duração, dado que foram, entretanto, adotadas novas restrições a viagens num contexto de aumento dos contágios”, sublinhou a OMT.

Para todo o ano de 2020, a OMT aponta para um recuo de 70% das chegadas de viajantes em relação ao ano anterior e não prevê uma recuperação antes do final de 2021.

Mas cerca de 20% dos peritos questionados pela agência da ONU dedicada ao turismo antecipam uma inversão desta tendência “apenas em 2022”.

Para a OMT, esta situação que se vive no turismo deve-se à lentidão na contenção do vírus, à falta de uma resposta coordenada dos diferentes países para desenvolvimento de protocolos comuns e à deterioração do contexto económico.

Em 2019, o turismo mundial tinha registado um crescimento de 4% das chegadas, com a França como primeiro destino, à frente da Espanha e dos Estados Unidos.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 1,1 milhões de mortos e mais de 43,5 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Ler mais

Recomendadas

OE2021: Aprovada proposta para pagamento em prestações de IVA e IRC até 15 mil euros

A medida aplica-se apenas a tributos cujo valor no momento do requerimento e a pagar em prestações seja inferior a 15.000 euros.

Aprovada proposta que remete concurso do ‘IVAucher’ para fiscalização à posteriori do TdC

Em causa está um mecanismo, apelidado de ‘IVAucher’, que permite ao consumidor final acumular o valor correspondente à totalidade do IVA suportado em consumos nos setores do alojamento, cultura e restauração, durante um período (12 semanas) e utilizar esse valor, durante as 12 semanas seguintes, em consumos nesses mesmos setores.

Receita fiscal do Estado com quebra homóloga de 2,8 mil milhões até outubro

Esta evolução da receita fiscal líquida acumulada do subsetor Estado, assinala a DGO, reflete de forma evidente os efeitos da pandemia de covid-19.
Comentários