UE condena expulsão de embaixadora na Venezuela e antecipa ações de reciprocidade

O chefe da diplomacia europeia condenou hoje a expulsão da embaixadora da União Europeia (UE) na Venezuela, a portuguesa Isabel Brilhante Pedrosa, e adiantou que serão tomadas medidas de “reciprocidade” em resposta à decisão do Presidente Nicolas Maduro.

“Condenamos e rejeitamos a expulsão da nossa embaixadora em Caracas. Tomaremos as medidas necessárias de reciprocidade”, escreveu o Alto Representante da UE para a Política Externa, Josep Borrell, na sua conta na rede social Twitter.

O chefe da diplomacia da UE reitera que “apenas uma solução negociada entre venezuelanos permitirá ao país sair da profunda crise” na qual se encontra.

O Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, expulsou na segunda-feira a embaixadora da UE no país, horas depois de a União Europeia sancionar mais 11 funcionários de Caracas.

Maduro justificou a sua medida como uma retaliação a uma resolução “em que a supremacista UE sanciona aqueles venezuelanos que, formando parte de instituições do Estado, defendem a Constituição”.

“Setenta e duas horas para que a embaixadora da União Europeia abandone o país. Já basta de intervencionismo colonialista, de ‘supremacismo’ e de racismo! Já basta!”, enfatizou.

A UE sancionou 11 funcionários do Governo do Presidente Nicolás Maduro e de vários poderes públicos venezuelanos.

Os sancionados são acusados de “atuar contra o funcionamento democrático da Assembleia Nacional (parlamento) e de violar a imunidade parlamentar” dos deputados, inclusive do líder opositor e presidente daquele órgão, Juan Guaidó.

Entre 2008 e 2011, Isabel Brilhante Pedrosa, desempenhou as funções de cônsul-geral de Portugal em Caracas, período que coincidiu com o forte impulso político e económico das relações bilaterais, promovido pelos à data Presidente e líder da revolução bolivariana, Hugo Chávez (1954-2013), e primeiro-ministro de Portugal, José Sócrates.

A Venezuela tem, desde janeiro, dois parlamentos (Assembleia Nacional) parcialmente reconhecidos, um de maioria opositora, liderado por Juan Guaidó, e um pró-regime, liderado por Luís Parra.

A crise política, económica e social na Venezuela agravou-se desde janeiro de 2019, quando Juan Guaidó se autoproclamou presidente interino do país, até afastar Nicolás Maduro do poder, convocar um Governo de transição e eleições livres. Guaidó conta com o apoio de quase 60 países.

Ler mais
Relacionadas

Venezuela: Colômbia, Bolívia e Paraguai condenam expulsão da embaixadora da União Europeia

O Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, expulsou na segunda-feira a embaixadora da UE no país, a portuguesa Isabel Brilhante Pedrosa, horas depois da União Europeia sancionar 11 funcionários de Caracas.
Recomendadas

É oficial: Donald Trump retira Estados Unidos da OMS

“O Congresso recebeu a notificação de que o Presidente retirou oficialmente os Estados Unidos da OMS em plena pandemia”, escreveu no Twitter o senador democrata Robert Menendez. Washington e ONU já confirmaram.

“Gripezinha ou resfriadinho”. Imprensa brasileira relembra declarações de Bolsonaro sobre a Covid-19

Presidente sempre desvalorizou doença, comparando-a a uma “gripezinha” ou “resfriadinho” e promovendo o uso de hidroxicloroquina, que afirma já ter tomado. Reações das redes sociais também merecem destaque na imprensa.

Comprar uma marca de sapatos. Warren Buffett elege “erro mais terrível”

Embora Warren Buffett estivesse errado sobre as perspetivas da Dexter, reconheceu a ameaça que logo afundaria a empresa: os sapatos importados e baratos, vindos de países com baixos salários.
Comentários