União Europeia antecipa atrasos no ‘Green Deal’, mas mantém meta de 2030

O “Acordo Verde” divulgado no ano passado pela presidente da Comissão Europeia deverá ser adiado para o final do ano. Apenas as metas para atingir uma nova redução nas emissões de carbono se manterão inalteradas.

A Comissão Europeia admite que vai atrasar algumas metas propostas no “Green Deal” devido à pandemia do novo coronavírus. Apenas o cronograma com uma nova meta de redução das emissões para 2030 e as políticas ambientais mais urgentes irão permanecer inalteradas, de acordo com um esboço de documento visto pela “Reuters”, esta segunda-feira.

Os efeitos da Covid-19 na economia obrigaram os executivos do bloco europeu a rever os planos para 2020, numa altura em que são chamadas todas as forças para combater o vírus que já provocou mais de 100 mil mortes no continente.

Iniciativas que incluem planos para proteger a biodiversidade e reformas para tornar a agricultura mais sustentável, que estavam previstas para serem divulgadas a 29 de abril, deverão ser adiadas para o final de 2020 e sofrer algumas reformulações. Incluído na lista de adiamentos, estão também as reformas para tornar os setores de transporte e produtos químicos mais sustentáveis, planos para melhorar a adaptação dos impactos das alterações climáticas, reformular a gestão florestar e melhorar a informação sobre reciclagem.

“A Comissão está atualmente a rever o seu programa de trabalho para 2020 devido ao surto do coronavírus. Estamos a planear apresentar um programa de trabalho atualizado nas próximas semanas “, disse uma porta-voz da Comissão.

Uma estratégia de financiamento sustentável da UE, prevista para depois das férias de verão na Europa, também não será adiada, esclarece o documento que acrescenta também que o projeto-lei em questão pode ajudar a garantir que o plano de recuperação pós-crise da UE se alinhe aos objetivos climáticos.

 

Recomendadas

Emissões de gases com efeito de estufa aumentaram 18% na União Europeia

Os responsáveis pela maior parte das emissões de gases com efeito de estufa foram a indústria e construção, o fornecimento de eletricidade e a agricultura (14%), divulga o Eurostat.

Projeto de 31 milhões de euros para proteção florestal vai beneficiar 15 mil hectares

O projeto terá em conta também a redução do risco de incêndio, com a diversificação e combinação de espécies, criação de faixas de gestão de combustível e vigilância regular.

Premium“Não podemos ter mil hectares intervencionados com um enclave”, afirma secretário de Estado das Florestas

Arrendamento forçado é apontado pelo secretário de Estado das Florestas como garantia de que “ínfima minoria” não condicione áreas que podem travar incêndios e garantir apoios a produtores até agora excluídos desses rendimentos.
Comentários