Universidades de Coimbra e Porto integram consórcio para promover Geociências Planetárias na Europa

As atividades envolvem a Agência Espacial Europeia e empresas locais de tecnologia para o espaço, como a francesa VR2Planets, especializada em realidade virtual.

As Universidades de Coimbra, Porto, Nantes, Pádua e Chieti/Pescara integram o consórcio GeoPlaNetSP, que vai criar um mestrado Erasmus Mundus em Geociências Planetárias, arrancar no ano letivo 2022/2023.

“A geociências planetárias visam essencialmente o conhecimento dos planetas do sistema solar, em particular, os planetas que são rochosos como a Terra – Mercúrio, Vénus e Marte -, bem como os respetivos satélites naturais. Neste âmbito, são adaptadas a esses astros as técnicas e tecnologias usadas na Terra”, explicam os investigadores da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra envolvidos no projeto: Alexandra Pais, Fernando Carlos Lopes, João Fernandes e José Pinto da Cunha.

Deste modo, salientam, “as Geociências Planetárias oferecem uma possibilidade de testar modelos de formação do sistema solar e de alcançar um conhecimento mais integrado sobre a composição, estrutura e evolução dos planetas”.

A participação da Universidade de Coimbra no consórcio tem por base o plano de estudos do mestrado em Astrofísica e Instrumentação para o Espaço e a participação de empresas tecnológicas ligadas ao espaço, com as quais este mestrado tem vindo a colaborar.

O consórcio GeoPlaNetSP acaba de obter um financiamento de 263 mil euros, no âmbito do programa “Erasmus+ Strategic Partnership for higher education”, que permite assegurar o intercâmbio de professores e alunos em atividades letivas integradas nos mestrado já existentes em cada uma das instituições parceiras.

As atividades envolvem a Agência Espacial Europeia (ESA) e empresas locais de tecnologia para o espaço, entre as quais a empresa francesa de base tecnológica VR2Planets, especializada em realidade virtual.

O projeto GeoPlaNetSP insere-se numa com duas dezenas de instituições e laboratórios de investigação de 16 países. Nascida em 2017, por iniciativa do Laboratoire de Planétologie et de Géodynamique da Universidade de Nantes, esta rede centra-se na interação e colaboração entre investigadores na promoção das geociências planetárias na Europa e nela se integra desde o início o Centro de Investigação da Terra e do Espaço da Universidade de Coimbra.

Ler mais
Recomendadas

SNESup fez contas e denuncia: verbas para ensino superior e ciência crescem apenas 4% e não 17% como consta do relatório do OE2021

Segundo o Sindicato Nacional do Ensino Superior, a dotação para as instituições cresce apenas 23.2 milhões de euros. “Será necessário recuar 14 anos para encontrar um reforço na dotação em linha com estes valores”, denuncia a estrutura liderada por Gonçalo Leite Velho.

Governo determina “encerramento compulsivo” do ISLA de Leiria

Segundo despacho publicado em Diário da República, a instituição encerra no final do ano letivo de 2021-2022, de modo a possibilitar aos estudantes atualmente inscritos a conclusão dos respetivos ciclos de estudo.

PremiumCristina Vaz de Almeida: “Portugal precisa de mais especialistas de literacia em saúde”

ISPA lança programa para mudar comportamentos e melhorar resultados. Coordenado por Carlos Lopes e Cristina Vaz de Almeida, está previsto arrancar a 21 de novembro. Inscrições já abriram.
Comentários