Vem aí uma nova subida no preço dos combustíveis

A partir de segunda-feira, os combustíveis ficam novamente mais caros. Aumento é maior na gasolina, tanto nas cadeias de marca branca, como nas principais gasolineiras.

O preço dos combustíveis volta a encarecer na próxima semana. A evolução das cotações em euros aponta para uma subida dos preços – mais acentuada na gasolina que no gasóleo. “A partir de segunda-feira o gasóleo aumenta 0,5 cêntimos, enquanto a gasolina passa a valer mais um cêntimo por litro”, adiantou fonte do setor ao Jornal Económico.

As subidas vão sentir-se tanto nas bombas das principais gasolineiras como nos postos dos hipermercados, onde “os aumentos rondam os 0,0023 euros por litro, no caso do gasóleo, e os 0,0085 euros por litro no que diz respeito à gasolina”, avançou uma outra fonte.

De acordo com dados da Direcção Geral de Energia e Geologia (DGEG), o preço médio do litro de gasolina em Portugal custa actualmente 1,549 euros enquanto o do gasóleo vale 1,347 euros. As cotações podem no entanto variar nos postos de abastecimento, já que o preço fixado na rede tem ainda em conta o nível de concorrência, da oferta e da procura em cada mercado e o nível de custos fixos de cada posto.

Abastecer em Espanha permite poupança até 26 cêntimos por litro
Um litro de gasolina 95 em Espanha custa, em média, 1,254 euros, menos 26 cêntimos do que em Portugal. Já o litro do gasóleo pode ser comprado por 1,165 euros, 18 cêntimos abaixo do preço médio fixado em Portugal, indicam os dados mais recentes da Comissão Europeia.

Fazendo as contas de outra forma, um condutor que ponha 50 euros de gasolina em Portugal mete no depósito 32 litros, enquanto os mesmos 50 euros em Espanha compram 39 litros (mais sete litros de diferença). Já no gasóleo, um condutor que ateste o carro com 60 litros de diesel poupa nove euros em Espanha.

O último relatório de Bruxelas mostra que, depois de impostos, o preço médio da gasolina 95 octanas praticado em Portugal é o quinto mais caro em toda a UE. Já o gasóleo ocupa a 7ª posição entre os países do espaço comunitário. Os mesmos dados mostram que a fiscalidade é o factor que mais pesa nos preços dos combustíveis em Portugal.

Entre os 28 Estados-Membros, o preço médio de referência da gasolina ronda os 1,383 euros por litro, enquanto o ‘diesel’ vale 1,284 euros por litro. Já na zona euro, um litro de gasolina custa 1,419 euros e um litro de gasóleo vale 1,282 euros.

Os mais Económicos

Gasolina(s):
– E.Leclerc V. N. Famalicão – 1.379€

– E.Leclerc V. N. Famalicão – 1.389€

– Intermarché Marinha da Guia – 1.397€

– RE – GUIA (Pombal) – 1.397€

– Distrilavos – 1.399€

Gasóleo(s):
– Intermarché Marinha da Guia – 1.179€

– RE – GUIA (Pombal) – 1.179€

– Intermarché de Soure (espadinha) – 1.189€

– Intermarché de Vila Real de Santo António – 1.189€

– Rede Energia – Monte Gordo – 1.189€

Ler mais

Relacionadas

Combustíveis descem pela primeira vez no ano. Mas pouco

Descida dos preços vai sentir-se tanto nas bombas das principais gasolineiras como nos postos dos hipermercados.

Eletricidade continua a ganhar terreno aos combustíveis fósseis

A eletricidade depara-se com três tendências: competitividade das renováveis, paradigma da produção distribuída e massificação dos veículos elétricos.
Recomendadas

Endividamento do sector não financeiro chegou aos 742 mil milhões em novembro

O sector público viu um crescimento de 1,4 mil milhões de euros no seu endividamento, quando comparado com outubro, enquanto que o privado verifica 0,7 mil milhões a mais. A variação total do endividamento no sector não financeiro foi, assim, de 2,1 mil milhões de euros.

Financiamento das administrações públicas sobe para 10,3 mil milhões de euros até novembro

O regulador bancário explica que desde o início do ano e até novembro, as administrações públicas financiaram-se junto de bancos residentes em 10,7 mil milhões de euros e junto do exterior em 0,5 mil milhões de euros.

Marcelo defende que escolas devem “fechar o mais cedo possível”

Apesar de apontar efeitos demolidores para os estudantes, Marcelo Rebelo de Sousa defende que as escolas devem fechar o “mais cedo possível”, disse hoje ao Observador.
Comentários