Vendas de automóveis caem 23% em novembro e 35% num ano

Em Novembro de 2020 foram matriculados, pelos representantes legais de marca a operar em Portugal, 14.969 veículos automóveis, ou seja, menos 23,4% do que em igual mês do ano anterior.

Gleb Garanich/REUTERS

A pandemia está a fazer estragos no mercado de venda de automóveis. As vendas de carros em Portugal sofreram uma queda homóloga de 23,4% em novembro. Já nos primeiros 11 meses do ano as vendas caem 35,3% face a 2019.

Em Novembro de 2020 foram matriculados, pelos representantes legais de marca a operar em Portugal, 14.969 veículos automóveis, ou seja, menos 23,4% do que em igual mês do ano anterior.

Já no período de Janeiro a Novembro de 2020, foram colocados em circulação 158.702 novos veículos, o que
representou uma diminuição homóloga de 35,3 %, revelou esta quarta-feira a Associação Automóvel de Portugal (ACAP).

Nos ligeiros de passageiros, que representa cerca de 83% do mercado nacional, as vendas de Novembro foram de 11.826 viaturas, menos 27,9% do que em novembro do ano passado Ao passo que em termos acumulados, este segmento regista uma quebra de 36,4%, para 131.165 carros.

Os comerciais ligeiros apresentam uma queda de apenas 1,4% em Novembro, para 2.801 veículos. Sendo que no acumulado do ano e numa comparação anual houve 23.905 unidades vendidas que correspondem a uma descida de 29,5%.

Nos veículos pesados as vendas aumentaram 17,5% em Novembro, para 342 automóveis. Mas no acumulado do ano este segmento sofreu um decréscimo de 29,4%, para 3.632 unidades.

Ler mais
Recomendadas

Propostas dos operadores superam os 194 milhões de euros no quinto dia da licitação principal do leilão do 5G

Em leilão estão faixas dos dos 700 MHz, 900 MHz, 2,1 GHz, 2,6 GHz e 3,6 GHz. No conjunto dos mais de 50 lotes em concurso, o preço base total é de 195,9 milhões. Esta quarta-feira, sete lotes viram o seu preço base aumentar.

Sindicatos da TAP foram avisados de que BE ia propor auditoria à gestão de Neeleman

A auditoria proposta pelo Bloco de Esquerda não será viabilizada no Parlamento. O projeto de resolução entregue pelo BE a recomendar ao Governo uma auditoria à gestão privada da TAP, não chegará a qualquer conclusão no sentido de saber quais são as efetivas responsabilidades do empresário David Neeleman na gestão da TAP e na situação financeira em que a companhia aérea se encontra.

AHRESP defende revogação da medida que proíbe venda de bebidas em ‘take-away’

A associação refere que a medida “apenas vai prejudicar a já difícil situação dos estabelecimentos”. A AHRESP acrescenta que “o que se quer prevenir é o consumo de produtos à porta do estabelecimento ou nas suas imediações, e não a venda”.
Comentários