Vendi a minha casa com uma mais-valia. Quanto vou pagar de IRS?

Se vendeu recentemente uma casa, este artigo é importante para si. Para não ser apanhado desprevenido, e pagar o menos possível de IRS, conheça as regras da venda de casa neste imposto. Saiba como calcular e comunicar o pagamento ou isenção deste imposto às Finanças.

Cristina Bernardo

Vendeu uma casa recentemente e quer pagar o menos possível de IRS? Conheça as regras da venda de casa neste imposto.   Saiba que a venda de casa tem de ser obrigatoriamente declarada no IRS, podendo ou não implicar o pagamento de IRS. Geralmente, as casas são vendidas a um preço superior ao de compra, gerando mais-valias que têm de ser tributadas em sede de IRS. Mas a lei prevê algumas exceções, sendo que há também formas de diminuir o valor do imposto a pagar. Saiba aqui quais são as regras da venda de casa neste imposto.

É obrigatório declarar?

O IRS é um imposto de base anual, o que significa que se vender um imóvel em 2019, terá de incluir esta transação na declaração respeitante aos rendimentos do ano em que esta se concretizou e que será apresentada em 2020, mesmo que não haja lugar ao pagamento de imposto.

Todos os dados relativos às mais-valias imóveis devem estar declarados no anexo G do IRS, que é um dos anexos do modelo 3 da declaração de rendimentos, excepto se houver lugar a isenção de tributação. Se a data de aquisição da casa vendida for anterior a 1 de janeiro de 1989, deve ser preenchido o anexo G1. Se for posterior, deve ser preenchido o anexo G.

Caso o imóvel vendido tenha sido adquirido em parcelas (o caso de heranças sucessivas), em datas distintas (antes e depois de 1 de janeiro de 1989), devem, então, ser preenchidos ambos os anexos.

Como calcular a mais-valia?

O apuramento das mais-valias é feito através da diferença entre o valor da venda do imóvel e o valor de compra ao qual é multiplicado o coeficiente de desvalorização da moeda (publicado anualmente em Portaria na AT).  A este valor vai ainda deduzir os encargos que teve com o processo de venda, bem como com as despesas que teve na valorização do imóvel, como por exemplo obras de melhoramento.

Mais-valia = Valor de venda – Valor de aquisição * Coeficiente monetário – Encargos – Despesas

Um exemplo:

Imóvel

Valor de aquisição: 100.000 euros

Ano de aquisição: 2002

Valor de venda: 160.000 euros

Ano de venda: 2018

Despesas com venda e aquisição: 500 euros

Encargos com valorização: 5.000 euros

Mais-valias: 160 000 euros – (100 000 euros x 1,41*) – 5 000 euros – 500 euros = 13 500 euros

* Aplicado o coeficiente de desvalorização da moeda de 2002 (ano de aquisição do imóvel vendido) da tabela aplicável aos bens vendidos em 2018 (ano de venda).

E quais são os encargos e despesas que posso abater?

Pode deduzir no IRS os encargos com a valorização do imóvel, realizados nos últimos 12 anos (por exemplo,, obras) e todas as despesas necessárias inerentes à aquisição e alienação, nomeadamente as comissões de intermediação e IMT. Desta forma, pode diminuir a fatura do imposto que terá de pagar sobre o lucro que obteve ao vender a sua casa.  Mas não se esqueça que só são contabilizados encargos com a casa vendida e devidamente documentados com fatura emitida em nome do proprietário da habitação.

Veja aqui o que pode deduzir:

Obras de Manutenção

Se realizou obras com o objetivo de manter ou melhorar a sua casa, por forma a valorizar o imóvel no momento da venda deverá declarar todas as faturas no IRS.

Pedido de Certificação Energética

O certificado energético é obrigatório para todos os edifícios que são colocados à venda, independentemente da idade do mesmos. É um documento que visa avaliar a eficiência energética do imóvel e que é apresentado no momento de assinatura do contrato de compra e venda. Os custos deste certificado variam entre os 28 euros, no caso de T0 e T1, a 65 euros, no caso de T6 ou imóveis maiores. A este valor acresce o valor o IVA.

Comissão paga à imobiliária

Se optar por fazer a venda do seu imóvel através de uma agência imobiliária, esta vai cobrar-lhe uma comissão da venda  que poderá também ser deduzida em IRS, juntamente com as restantes despesas associada à venda da casa.

Escritura

Esta é uma despesa que também poderá incluir no IRS como despesa com o processo de compra e venda do imóvel. Não existe um valor fixo e depende dos emolumentos que são cobrados por cada cartório. Em termos indicativos, uma aquisição de 100 mil euros entre escrituras e registos, poderá custar entre 500 a 600 euros.

Imposto Municipal sobre Transmissão Onerosa de Imóveis (IMT)

Este é um imposto que tem por objectivo tributar as transmissões do direito de propriedade sobre bens imóveis. Incide sobre o valor patrimonial tributário do imóvel, ou valor ou contrato ou ato estabelecido, de acordo com o que for mais alto. No portal de profissionais e empresas de mediação imobiliária de Portugal poderá SEMPRE simular o valor do IMT que terá de pagar.

Imposto de selo

Este é o imposto mais antigo do sistema fiscal português e incide sobre sobre os atos, contratos, documentos, títulos, livros, papéis e outros factos, previstos na Tabela Geral, que tenham ocorrido em Portugal e que estejam isentos de IVA.

Custos de solicitadoria

O serviço de solicitadoria é cobrado pelo solicitador que acompanha o processo (o solicitador é habitualmente indicado  ou aconselhado pelo Banco), para assegurar que os registos, documentos e escritura se encontram em conformidade.

As mais-valias podem estar excluídas de tributação?

Sim, pode. Esta mais-valia é sujeita a IRS, podendo estar excluída total ou parcialmente de tributação. São dois os casos em que as mais-valias resultantes da venda de casa estão isentas de imposto.

O primeiro, é o caso de uma aquisição anterior a 1989: as mais-valias geradas pela venda de uma casa adquirida antes de 1 de janeiro de 1989, data em que entrou em vigor do Código do IRS, estão isentas de imposto.

O segundo caso é a venda de habitação própria permanente, estando excluídas de tributação as mais-valias desde que sejam cumpridas determinadas condições exigidas pela AT.

Quais são as condições para exclusão de tributação na venda de Habitação Própria e Permanente (HPP) ?

Nos casos em que o imóvel vendido é  HPP e quando exista intenção ou concretização de reinvestir noutra HPP, a mais-valia obtida pode ficar excluída de tributação. Mas para isso, a AT exige o cumprimento de algumas condições como é o caso do valor de venda menos o valor do empréstimo associado ao imóvel vendido seja ou tenha sido reinvestido na aquisição de outro imóvel considerado como HPP.

Para efeitos de reinvestimento conta, assim,  o valor utilizado sem recurso a empréstimo bancário: Valor a reinvestir através de recursos próprios = Valor de venda – Amortização do empréstimo do imóvel vendido.

Caso o reinvestimento não seja total, a mais-valia será tributada proporcionalmente.  O reinvestimento deve ainda ocorrer entre os 24 meses anteriores ou 36 meses seguintes à venda.

A mais valia obtida também pode ser utilizada para amortizar um crédito à habitação contraído para a adquirir celebrado antes de 2015. Mas esta possibilidade só é válida até 2020.

O dinheiro resultante da venda também pode ser reinvestido na compra de um contrato de seguro, adesão individual a um fundo de pensões aberto que garanta uma prestação regular e periódica de valor máximo equivalente a 7,5% do valor investido ou adesão ao regime público de capitalização. Mas neste caso, o vendedor terá de ser  pensionista ou ter mais de 65 anos de idade.

Caso só seja empregue uma parte do dinheiro da venda, a isenção é parcial, sendo proporcional ao valor da venda reinvestido. Ou seja, se for reinvestido apenas 50% do dinheiro da venda, a isenção corresponde também a 50%.

A AT exige ainda que seja declarada a intenção de reinvestimento na declaração anual de IRS e que quem vende o imóvel não seja proprietário de outro imóvel habitacional.

Como funciona o reinvestimento de mais-valias entre os 24 meses anteriores ou 36 meses seguintes à venda?

Se vender a casa primeiro, dispõe de 36 meses para comprar nova casa e reinvestir o lucro obtido. Até lá, a tributação da mais-valia fica, assim, suspensa, uma vez que o proprietário comunica às Finanças, através do anexo G, a intenção de aplicar a mais-valia obtida. É no momento da compra da casa nova que o Fisco terá de apurar o lucro obtido e confirma a aplicação dessa verba na compra de nova habitação. Mas tem de confirmar que a nova casa se tornou, oficialmente, habitação própria e permanente da família até 48 meses após a venda da casa antiga.

Mas se compra primeiro a nova casa, pode vender a antiga nos 24 meses seguintes e comunicar ao Fisco que o dinheiro obtido com a venda foi canalizado para o imóvel que havia comprado. Neste caso, apenas tem de declarar os valores da venda e da compra no ano em que aliena o imóvel. É nessa altura também que declara que parte dos montantes foi paga com recurso a crédito (se for o caso), para que se apure o lucro obtido.

Já no caso da venda de uma casa dar lugar à compra de um terreno para construção ou ampliação de um imóvel, tem 48 meses para o fazer após a venda da habitação anterior e ainda mais um ano (cinco anos, no total) após a venda para que o novo imóvel seja declarado como habitação própria e permanente do agregado familiar. É ainda obrigatório pedir a inscrição na matriz predial.

Qual é o valor sujeito a tributação fiscal?

Em regra, metade das mais-valias obtidas com a venda de imóveis está sujeita ao pagamento de imposto, excepto quando  está em causa uma habitação própria e permanente, que terá de corresponder à morada fiscal do proprietário. Pois, como já vimos, é um caso que dependendo do tempo que separa a compra da nova casa e a venda da antiga, pode ficar isento do pagamento de imposto sobre o lucro obtido.

Assim, caso a mais-valia apurada esteja sujeita a tributação, total ou parcial, no apuramento final a mesma é considerada em 50%, para os residentes fiscais em Portugal. Ou seja, o  valor sujeito tributação corresponde a metade do valor das mais-valias apurado.

Há, no entanto, uma exceção à regra dos 50%: casa comprada, reconstruída ou reabilitada com apoios públicos não reembolsáveis e for vendida antes de decorridos 10 anos, as mais-valias são tributadas a 100%

Os dados da venda deverão ser inseridos no anexo G (modelo 3) da declaração de rendimentos do vendedor. É neste campo que,  para além dos dados que correspondem à venda do imóvel , deverão também constar todas as despesas e encargos que teve com esta operação.

Qual o valor do imposto?

As mais-valias tributáveis são englobadas no IRS. Ou seja, são adicionadas aos restantes rendimentos sujeitos a imposto, como os salários. Como todos os rendimentos são assim tributadas às taxas gerais do IRS, pois não  existe possibilidade de tributar as mais-valias autonomamente. O valor do imposto dependerá do escalão de IRS em que o vendedor ficar posicionado.

E se estiver em causa um imóvel herdado?

Neste caso, o montante da compra a indicar corresponde ao valor patrimonial tributário que esse imóvel tinha na caderneta predial no ano em que foi transmitido por herança. Geralmente, esse valor também é referido no documento do imposto de selo que os herdeiros receberam quando registaram a transmissão do imóvel nas Finanças.

Como ao longo dos anos, o valor da aquisição tem de ser corrigido, o Fisco aplica uma correção monetária, que varia com o ano de compra. Mas ao contribuinte basta indicar o montante da aquisição, pois os restantes cálculos são feitos pela administração fiscal.

Ler mais

Recomendadas

Portugueses recorrem cada vez mais ao crédito. 635 milhões em setembro

Os portugueses recorreram mais ao crédito no mês de setembro num total de 635 milhões de créditos contraídos. De acordo com uma nota publicada pelo Banco de Portugal esta sexta-feira, 15 de novembro, relativa à evolução dos novos créditos aos consumidores, os portugueses pediram um total de 295 milhões de euros em crédito pessoal, num […]
marcelo_rebelo_sousa_legislativas

Marcelo considera aumento do salário mínimo “razoável” e promulga hoje o diploma

O Presidente da República vai promulgar hoje o diploma que estabelece um aumento do salário mínimo nacional para 635 euros em 2020, que considera “uma solução razoável, a pensar na economia e na sociedade portuguesa”.

Carlos Costa: Instabilidade financeira iria “criar muitos problemas que alimentariam” populismos

Governador do Banco de Portugal voltou a apelar a uma vontade política decisiva para avançar com a conclusão da União Bancária e o desenvolvimento da União dos Mercados de Capitais, a fim de fortalecer a estabilidade da zona euro.
Comentários