Visabeira reforça na Vista Alegre mas estuda aumento do ‘free float’

Apesar do reforço da posição da Visabeira na Vista Alegre, não é intenção do grupo com sede em Viseu retirar a empresa produtora de porcelana e cristalaria do mercado de capitais.

Ruben Diaz Diez/Visabeira

O Grupo Visabeira reforçou a sua posição acionista na Vista Alegre para 90,48% do respetivo capital social ao adquirir um pacote de 8% das ações da sua participada à sociedade Portugal Capital Ventures – Sociedade de Capital de Risco, entidade gestora do Fundo de Capital de Risco FCR Portugal Ventures Grandes Projetos de Investimento.

Segundo o comunicado enviado há minutos à CMVM – Comissão do Mercado de Valores Mobiliários, a operação envolveu um montante de investimento de 12,2 milhões de euros, uma vez que os 125 milhões, de ações da Vista Alegre foram adquiridos nesta operação a um preço de 0,0983 euros por título.

Apesar do reforço da posição da Visabeira na Vista Alegre, não é intenção do grupo com sede em Viseu de retirar a empresa produtora de porcelana e cristalaria do mercado de capitais.

“Na sequência desta aquisição, é intenção da Visabeira Indústria, na presente data, que a VAA [Vista Alegre Atlantis] mantenha a qualidade de sociedade aberta com as ações representativas do seu capital social admitidas à negociação no Euronext Lisbon, estando ainda a equacionar a possibilidade de um aumento de ‘free float'”, revela a Visabeira no referido comunicado.

No entanto, a Visabeira não especifica qual o modelo que tem em preparação para aumentar o ‘free float’ da Vista Alegre.

Recomendadas

Fundos ESG ainda têm muito espaço para crescer em Portugal

No ano passado, a maioria das subscrições de fundos ESG foram feitas por pessoas singulares (99,2%), segundo os dados da CMVM, que mostram que as subscrições líquidas se revelaram nos quatro últimos anos, apesar de 2020 ter apresentado uma diminuição de 75% face a 2019.

Eletricidade. Desde 2009 que o valor da dívida tarifária não era tão baixo

A dívida vai afundar mil milhões em 2022, a maior descida registada desde 2008.

“Apoios de nove milhões foram cruciais para minimizar prejuízos”, revela presidente do Instituto dos Vinhos do Douro e Porto

“Esses apoios foram cruciais para, de alguma forma, minimizar aquilo que poderiam ser os prejuízos dos agricultores na venda das suas uvas”, revela Gilberto Igrejas. “Foram nove milhões de euros, na Região Demarcada do Douro, muito importantes para que o tecido produtivo não tivesse quebras superiores”, assegura o presidente do Instituto dos Vinhos do Douro e Porto (IVDP), na edição do podcast “Conversas com Norte” que irá para o ar na próxima segunda-feira.
Comentários