Vistos gold: mais brasileiros e menos chineses

Desde janeiro foram concedidos 176 vistos gold a brasileiros. No top 5 estão ainda turcos, norte-americanos e russos.

O investimento chinês captado através dos vistos ‘gold’ caiu 11% até setembro, face a igual período de 2018, para 180 milhões de euros, enquanto o brasileiro aumentou 46,5% para 132,6 milhões de euros.

De acordo com dados do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), nos primeiros nove meses do ano o investimento proveniente da China por via de Autorizações de Residência para Atividade de Investimento (ARI) atingiu 180 milhões de euros, menos 11% em termos homólogos.

Entre janeiro e setembro foram concedidos 323 vistos ‘dourados’ a cidadãos de origem chinesa. Nos primeiros nove meses de 2018 o investimento de origem chinesa tinha sido de 203 milhões de euros.

Já o investimento brasileiro, por via da ARI, ascendeu a 132,6 milhões, mais 46,5% que um ano antes, num total de 176 vistos.

Relativamente ao investimento oriundo da Turquia, este recuou 48,5% entre janeiro e setembro, face ao mesmo período de 2018, para 38,5 milhões de euros. Até setembro fora atribuídos 71 ARI a cidadãos turcos.

No ‘top 5’ do investimento por nacionalidades, constam ainda os Estados Unidos, totalizando 38,5 milhões de euros até setembro, com 49 ARI concedidos. A Rússia, com 40 vistos ‘gold’, totalizou um investimento de 26,3 milhões de euros no período em análise. Em setembro, o investimento total proveniente de ARI ascendeu a 48.450.021,42 euros, uma subida de 29,7% face ao registado em igual mês de 2018 (37 milhões de euros).

Comparativamente a agosto, quando o investimento foi de 82,5 milhões de euros, este registou um recuo de 41%. Nos primeiros nove meses do ano, o investimento captado totalizou 601,5 milhões de euros, mais 1% que um ano antes.

Em quase sete anos – o programa ARI foi lançado em outubro de 2012 –, o investimento acumulado até setembro totalizou 4.851.321.701,65 euros, com a aquisição de imóveis a somar 4.378.813.787,85 euros. Os vistos “dourados” atribuídos por via da transferência de capital ascendem a 472.507.913,8 euros.

Desde a criação deste instrumento, que visa a captação de investimento, foram atribuídos 7.960 ARI: dois em 2012, 494 em 2013, 1.526 em 2014, 766 em 2015, 1.414 em 2016, 1.351 em 2017, 1.409 em 2018 e 998 em 2019.

Ler mais

Relacionadas

Brasileiros ricos que se mudam para Portugal atraem gestores de fortunas do Brasil

A notícia está a ser avançada pela Bloomberg. Bancos como o Itaú-Unibanco Holding e o Banco Bradesco estão estudar abrir escritórios de gestão de patrimónios em Portugal, no meio de uma onda de brasileiros ricos que se estão a mudar para o nosso país à procura de segurança.

Franceses campeões do investimento no imobiliário em Portugal no primeiro semestre

No primeiro semestre de 2019 os franceses foram os estrangeiros que mais investiram no imobiliário português, de acordo com o Gabinete de Estudos da Associação dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária de Portugal. Investimento estrangeiro representa já cerca de 16% do total das transações no sector.
Recomendadas

AICEP apresenta Acelerador das Exportações Online

A AICEP vai concentrar todo o seu trabalho de junho no objetivo fixado pelo Governo de promover as exportações. Na próxima terça-feira, o ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, vai acompanhar a apresentação da nova ferramenta de Inteligência Artificial que é colocada ao serviço dos exportadores nacionais, o “Acelerador das Exportações Online”.

Bancos têm até hoje para enviar ao regulador planos de prevenção do branqueamento de capitais

Os bancos têm até hoje para enviarem ao Banco de Portugal os planos de financiamento e os relatórios de prevenção do branqueamento de capitais e financiamento do terrorismo, depois dos prolongamentos dos prazos devido à covid-19. Numa situação normal, estes relatórios já deveriam ter sido enviados pelos bancos, mas o regulador e supervisor bancário anunciou a prorrogação dos prazos em abril, considerando que é de “particular importância” a qualidade da informação financeira e prudencial no atual contexto económico. O Banco de Portugal prolongou ainda, para 12 de junho, o reporte de informação financeira em base individual e o reporte de informação para fins de supervisão aplicável às sociedades financeiras, assim como a informação sobre empresas incluídas no perímetro de consolidação e sobre a evolução da carteira de crédito.

Proprietários tem até hoje para pagar primeira fase ou a totalidade do IMI

Os quase quatro milhões de contribuintes que receberam uma nota de liquidação do Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) têm até hoje para efetuar o pagamento da primeira prestação ou da totalidade do imposto.
Comentários