Vítor Gaspar defende aumento de impostos para ajudar na recuperação económica pós-Covid

O antigo ministro das Finanças e atual diretor do Departamento de Assuntos Fiscais do FMI sublinha a relevância de uma medida deste género na noção de coesão social, visto que têm sido os trabalhadores com menores rendimentos e os mais jovens que têm suportado os maiores custos da pandemia.

Vítor Gaspar defende um aumento de impostos sobre os maiores ganhadores da pandemia, como empresas que experienciaram fortes crescimentos no último ano, dando eco às recomendações do Fundo Monetário Internacional (FMI).

Em declarações ao Financial Times esta quarta-feira, o antigo ministro das Finanças defendeu que tal medida reforçaria a coesão social, apesar de não haver uma urgência para reequilibrar contas públicas.

Perante o impacto assimétrico da crise gerada pela Covid-19, o FMI sugere que sejam subidas as taxas para os escalões mais elevados de rendimentos, ou um imposto extraordinário sobre excesso de lucros, de forma a sinalizar aos cidadãos que a fatura da pandemia será distribuída pela sociedade como um todo.

“O impacto simbólico deste tipo de contribuições é, por vezes, muito importante”, referiu Vítor Gaspar ao jornal britânico. “Tipicamente, estas ocorrem em circunstâncias verdadeiramente excecionais em que a solidariedade social desempenha um papel particularmente importante”, acrescenta o atual diretor do Departamento de Assuntos Fiscais do fundo.

O FMI sublinha, ainda assim, que os níveis de dívida dos países desenvolvidos deverão estabilizar no pós-pandemia, pelo que a urgência não se prende com um desequilíbrio das contas nacionais, mas sim com o aumento das desigualdades desde o início da crise sanitária, que tem impactado jovens trabalhadores, bem como os menos qualificados e com empregos menos remunerados.

Recomendadas

Contratos para obras públicas a partir de 5 milhões vão destinar 1% para obras de arte

“Prevê-se, como regra, que 1% do preço, em contratos de valor igual ou superior a cinco milhões de euros, seja aplicado em inclusão de obras de arte nas obras públicas objeto desses contratos”, acrescenta o comunicado do Conselho de Ministros.

PRR: Investimento em infraestruturas transfronteiriças reduzido para 65 milhões de euros

Na versão submetida a consulta pública, em 16 de fevereiro, o Governo previa um investimento global de 110 milhões de euros em infraestruturas rodoviárias para assegurar as ligações transfronteiriças entre Portugal e Espanha, que no documento final, entregue esta quinta-feira, foi reduzido para 65 milhões de euros.

Fórum para a Competitividade critica PRR e pede foco na saúde, licenciamentos e turismo

O turismo merece particular destaque na nota de Perspetivas Económicas do Fórum, que relembra que o saldo acumulado da balança turística nos seis anos que antecederam a pandemia é equivalente às transferências europeias para Portugal nos próximos nove anos.
Comentários