Volume de compras na Black Friday cresceu 40% para 4,1 milhões de euros em Portugal, diz HiPay Portugal

O setor que mais beneficiou da Black Friday foi o retalho, com os setores do lazer e turismo (viagens, hotelaria e restauração) a registar “uma quebra acentuada”, segundo Eduardo Barreto.

As medidas de restrição provocadas pela pandemia não travou o consumo na Black Friday. Segundo a HiPay Portugal, empresa que gere plataformas de pagamento, registou um crescimento de 40% no volume de compras concretizadas pelos portugueses, no último fim de semana, para 4,166,839 euros. O valor compara com os 2,996,977 euros registados na Black Friday de 2019.

Num comunicado enviado esta segunda-feira à redação, a empresa portuguesa diz ter registado um total de 80.513 transações, apontando que o aumento do volume de compras foi “exponencial”, face ao contexto de pandemia que o país atravessa.

“O crescimento do número de transações e valor também foi superior a durante a semana. No acumulado dos dias imediatamente antes e depois, de 22/11 a 28/11, período a que alguns retalhistas designam por Black Week, a HiPay registou crescimentos em transações e valor de 57% e 64% face a 2019, respetivamente”, lê-se.

“O crescimento exponencial do volume de transações e valor das compras confirma a esperada adesão massiva ao comércio eletrónico em virtude do contexto pandémico que se vive e o reforço da popularidade do conceito Black Friday em Portugal”, afirma o presidente executivo da HiPay Portugal, Eduardo Barreto.

O setor que mais beneficiou da Black Friday foi o retalho, com os setores do lazer e turismo (viagens, hotelaria e restauração) a registar “uma quebra acentuada”, segundo Eduardo Barreto.

A HiPay é responsável pelas plataformas de pagamento de empresas como a Delta, a IKEA ou Homa. Em Portugal, a empresa processou pagamentos no valor total de 408 milhões de euros, em 2019.

Ler mais
Recomendadas

“É quase inevitável que o crédito malparado começe a aumentar novamente”, diz Dombrovskis

Vice-presidente da Comissão Europeia realça que o malparado diminuiu na banca portuguesa nos últimos anos. No entanto, admite que a crise provocada pela pandemia se irá traduzir num aumento quase “inevitável” do crédito malparado, destacando por isso o Plano de Ação de Bruxelas para combater os créditos improdutivos.

PremiumPrograma Apoiar vai dar mais subsídios

Um dos principais mecanismos no combate às consequências sociais e económicas da pandemia, o programa Apoiar.pt foi agora reforçado e incluirá mais subsídios a fundo perdido, revelou o ministro do Estado e da Economia, Pedro Siza Vieira, nesta quinta-feira.

Governo dos Açores apresenta a Bruxelas solução para devolver aumentos de capital da SATA

O secretário regional das Finanças dos Açores anunciou esta sexta-feira que vai avançar possivelmente “no início da semana”, junto de Bruxelas, com a solução para devolver os aumentos de capital “ilegais” realizados na SATA, de 73 milhões de euros.
Comentários