“Zanga de namorados”. Direita critica Governo e Bloco de Esquerda por desavenças no OE2021

Duarte Pacheco, do PSD, questionou o Bloco de Esquerda sobre se “nunca perceberam que estavam a ser enganados” e Cecília Meireles do CDS-PP frisou que no “arrufo” entre os partidos de esquerda “já ninguém sabe quem está a chantagear quem”.

Cristina Bernardo

As intervenções iniciais do PSD e CDS-PP durante a reunião plenária desta quarta-feira, 14 de outubro, foram dedicadas a apontar criticas à falta de entendimento entre o Governo e Bloco de Esquerda (BE) e ambos os partidos sublinharam que no passado os bloquistas viabilizou o Orçamento do Estado em conjunto com PS.

“Sinceramente, já vimos zangas de namorados e fins de casamentos católicos com menos violência do que aqueles que os senhores estão aqui a proporcionar”, referiu o deputado do PSD, Duarte Pacheco, perguntando ao Bloco de Esquerda “se acordaram agora?”.

“Nunca perceberam que estavam a ser enganados?”, questionou Duarte Pacheco recordando as “promessas de investimento, de reforço de pessoal, as palavras lindas como aquelas que o senhor deputado João Paulo Correia aqui fez e os senhores assinavam de cruz e nunca percebiam que estavam a ser enganados?”.

Duarte Pacheco acusou o Bloco de Esquerda de “irresponsabilidade”, apontando que “perante a maior crise económica que o país viveu na nossa democracia, um Governo que durante os últimos cinco anos foi apoiado por vossas excelências, não têm capacidade de apresentar um Governo que responda às dificuldades do país e às dificuldades das pessoas e que a primeira coisa que se sente é ruir os apoios que tão sólidos pareciam”.

O CDS-PP acompanhou as criticas feitas pelo PSD e a deputada dos centristas Cecília Meireles frisou que “neste arrufo”, entre Bloco de Esquerda e PS, “já ninguém sabe quem está a chantagear quem”.

“O senhor deputado dizia e eu compreendo porque estamos em pandemia, diziam: esqueçam as regras habituais eu em relação à pandemia percebo que se esqueça , creio que o senhor deputado não esqueceu apenas as regras habituais, esqueceu muitas outras coisas”, disse Cecília Meireles ao deputado do Bloco de Esquerda Pedro Filipe Soares.

“De repente percebeu que o PS às vezes não cumpre aquilo que está no Orçamento, perceberam isso agora? Está mesmo a dizer-nos isto, percebeu agora que o PS às vezes não cumpre? O PS não cumpre desde cativações a normas programáticas, já aconteceu tudo”, sublinhou a deputada do CDS-PP.

O desentendimento entre o Governo e Bloco de Esquerda continua e prolonga as dúvidas sobre a aprovação do Orçamento do Estado para 2021. Durante esta tarde, na reunião plenária os bloquistas, representados por Pedro Filipe Soares, apontaram criticas ao documento elaborado pelo executivo de António Costa, enquanto que João Paulo Correia do PS garantiu que não viabilizar OE 2021  seria “votar contra este país”

 

Ler mais
Relacionadas

Não viabilizar OE2021 “é votar contra este país”, diz PS a Bloco de Esquerda

João Paulo Correia explicou que o documento é “um Orçamento de combate, de combate à pandemia e de combate a uma crise económica e social, é um orçamento que trás avanços”, enaltecendo que as medidas foram negociadas “também com o Bloco”.

Novas regras para contratação pública. PS e PSD aprovam alterações à proposta do Governo

As maioria das propostas de alteração apresentadas pelo PS e PSD ao diploma do Governo receberam ‘luz verde’, na comissão de Economia, depois das negociações entre socialistas e social-democratas.
Recomendadas

Costa diz que não existe atraso no plano de vacinação contra o covid-19

O primeiro-ministro não avançou com uma data para a chegada da primeira vacina contra o coronavírus, durante uma entrevista ao Observador. António Costa sublinhou a complexidade deste plano de vacinação, que será uma operação à escala mundial.

Covid-19: Pfizer/BioNTech pede autorização a reguladores europeus para vacina

A Pfizer/BioNTech já tinha realizado um pedido de uso da vacina contra o coronavírus aos reguladores norte-americanos e da Grã-Bretanha.

Covid-19: Estados Unidos ultrapassam os 13,5 milhões de casos

Os Estados Unidos têm 13.525.889 infetados e 267.888 mortes por covid-19.
Comentários