António Costa vs Galp. O que está na base da polémica?

“Disparate” e “insensibilidade”. Foi assim que o secretário-geral do PS e primeiro-ministro qualificou a decisão da Galp em fechar a refinaria de Matosinhos. Conheça as acusações de António Costa e o contexto que levou esta refinaria a despedir 1.600 trabalhadores numa decisão que deverá custar 5% do PIB de Matosinhos.

Relacionadas

Refinaria de Matosinhos. Estado propôs pagar formação a trabalhadores, mas Galp recusou (com áudio)

A proposta apresentada pela entidade consistia na “possibilidade de o IEFP elaborar um programa de formação de ativos empregados à medida dos perfis de cada um dos trabalhadores, tendo como contrapartida que a empresa mantivesse o vínculo e continuasse a assegurar a remuneração”, notou fonte do Ministério do Trabalho, notando que “tal solução não foi aceite”.

Autárquicas: Rio acusa Costa líder do PS de “desmentir” Costa PM sobre Matosinhos

O presidente do PSD acusou hoje António Costa de, enquanto líder do PS, ter desmentido no domingo o que disse enquanto primeiro-ministro sobre o encerramento da refinaria de Matosinhos, porque “para ele vale tudo para ganhar eleições”.

Galp não comenta afirmações de Costa sobre “insensibilidade” da empresa (com áudio)

Questionada pela Lusa sobre as declarações de António Costa no domingo, fonte oficial da empresa disse que “a Galp não tem comentários sobre as declarações do senhor primeiro-ministro”.
Recomendadas

Carlos Moedas toma posse como presidente da Câmara Municipal de Lisboa. Veja em direto

O antigo comissário europeu sucede a Fernando Medina na liderança da Câmara Municipal de Lisboa. Veja a tomada de posse em direto.

PremiumUnião fez a força para o centro-direita retirar câmaras aos socialistas

Coligações lideradas pelos sociais-democratas conquistaram mais 20 autarquias sem perder nenhuma. PSD isolado teve saldo nulo com PS.

PremiumEleições geram meia centena de imbróglios autárquicos

Porto e Sintra juntam-se às câmaras em que os vencedores estão em minoria na vereação e na assembleia municipal. Mais complicada que Lisboa talvez só mesmo Évora, e número de executivos minorítários disparou em relação a 2017.
Comentários