Arrendamento de casas: como devem os senhorios calcular a renda ideal?

Os valores das casas para arrendar têm vindo a aumentar. Mas quando se arrenda um apartamento, impõem-se as questões: é muito caro, é muito barato? Qual será afinal a renda ideal? Descubra tudo neste artigo.

Se, por um lado, os senhorios querem fazer um valor ajustado ao mercado que lhes garanta lucro, os inquilinos procuram, por outro, ofertas com o valor mais em conta possível.

Assim, perante a necessidade de se definir a renda certa, há que ter primeiramente em conta as despesas que lhe são inerentes:

Para além destes encargos, é recomendável que o senhorio tenha uma poupança de parte, tanto para eventuais despesas de manutenção, como também para assegurar que não existe prejuízo. A estes encargos acrescerá, se for o caso, a prestação mensal do crédito à habitação.

As despesas de manutenção, de pintura e de reparação podem ser deduzidas no IRS, assim como os gastos de iluminação e aquecimento central. Também o IMI e encargos com seguros são dedutíveis.

 

Crédito à habitação destinado a casas para arrendar

Sendo o crédito à habitação o elemento mais importante no processo de compra de casa (pois raros são os casos em que se tem o valor total para pronto pagamento), o cliente tem de informar o banco sobre o propósito da solicitação do crédito.

Ou seja, se sabe de antemão que a casa que quer comprar será para arrendamento, o contrato contemplará essa situação, tanto em termos das condições, como do spread proposto pelo banco.

Se, por outro lado, decidir arrendar a sua habitação no decorrer do crédito, não há problema. Contudo, é obrigado a notificar o banco dessa intenção. Nestes casos, o banco geralmente renegocia o spread.

Ainda assim, existem naturalmente exceções: se a decisão decorrer do facto de um dos elementos do agregado familiar estar desempregado ou se o local de trabalho se alterar para outro local, pelo menos a 50km de distância da habitação, o banco não irá renegociar o spread.

Perante a decisão de alterar a finalidade do crédito, se as condições propostas pela instituição financeira não forem do seu agrado, poderá sempre recorrer a uma transferência do crédito para outra entidade bancária que apresente uma melhor proposta. O Bankinter, por exemplo, suporta os encargos com a transferência até 1,25% do capital transferido.

O mesmo se aplica aos seguros subscritos, existindo sempre a possibilidade de mudar para uma seguradora que contemple uma oferta com valores mais em conta e/ou condições mais apelativas. O proprietário da habitação terá custos com o seguro multirriscos e o seguro de vida que, apesar de propostos pelo banco, poderão ser contratados externamente e diretamente através de qualquer seguradora.

 

Como chegar ao valor ideal da renda

A Ana e o Carlos são um casal jovem que adquiriu um T2 em Lisboa por 140 mil euros com a finalidade de arrendamento. Para tal, recorreram a um crédito à habitação cuja prestação mensal é de 400 euros. A esta prestação, somemos o IMI, o imposto de renda, os seguros, o condomínio, bem como a poupança para dois meses de desocupação por ano. Bem feitas as contas, o casal terá de cobrar, pelo menos, cerca de 740 euros para não ter prejuízo.

Este valor pode ser alterado anualmente, mas há que ter atenção às diretrizes sobre a atualização dos valores rendas..

Eis os cálculos:

 

Exemplo prático de cálculo do valor da renda
Tipo de encargos com o imóvelValor mensalSubtotal
IMI (140.000€ x 0,3% / 12)35€35€
Seguro multirriscos (150€ / 12)12,5€47,5€
Seguro de vida (300€ / 12)25€72,5€
Prestação mensal do crédito à habitação400€472,5€
Despesas de condomínio10€482,5€
Acréscimo de poupança para dois meses de desocupação anual (482,5€ x 2 = 965€)96,5€579€
Acréscimo de imposto de renda (0,28 x 579)162,12€741,12€
Valor final da renda741,12€

Nota: Valores meramente referenciais a título exemplificativo.

 

É importante lembrar que, se por acaso o casal já tivesse terminado de reembolsar o crédito à habitação, a margem de lucro resultaria mais alta. Caso contrário, a chave está na comparação do mercado e, de seguida, na escolha da oferta de crédito mais vantajosa.

Ler mais
Relacionadas

Quer arrendar a sua casa hipotecada? O banco já não lhe pode aumentar o spread

Até ao início deste ano, quem quisesse arrendar uma casa que ainda está a pagar ao banco corria o risco de ver o spread do seu contrato ser aumentado. Porém, a lei mudou.

Alojamento local: guia para não se perder na burocracia

Se tem uma casa desocupada ou até se gostava de comprar um imóvel para arrendar, o recurso ao alojamento local pode ser uma opção. Porém, implica cumprir vários requisitos legais (se calhar, mais do que imagina).

Guia para entender o Direito Real de Habitação Duradoura

A grande novidade deste ano na Habitação é a entrada em vigor do Decreto-Lei que dá a possibilidade aos moradores de viverem numa casa de forma permanente e vitalícia. Trata-se do Direito Real de Habitação Duradoura (DHD).
Recomendadas

Trânsito condicionado na Baixa de Lisboa amanhã

Em causa está um desfile de Carnaval. A Câmara Municipal de Lisboa diz que terá implicações em diversas artérias da freguesia de Santa Maria Maior.

Dicas para uma utilização segura do MB Way

Alertamos para as cobranças bancárias pelo uso do MBWAY: Informe-se junto do seu banco sobre a possível cobrança de uma comissão ou valor pela utilização desta app. Cada vez mais os bancos disponibilizam as suas próprias aplicações, procurando com esta estratégia combater o MBWAY.

Contribuintes podem comunicar agregado familiar e atualizar dados até dia 21

Em informação enviada à Lusa, o Ministério das Finanças explicou que “o prazo legalmente previsto termina no dia 15 [sábado]. No entanto, os dados que forem comunicados por essa via até ao final do próximo dia 21 de fevereiro ainda serão considerados pela AT”.
Comentários