Cabo Verde projeta hospital de 65 milhões de euros para melhorar cuidados de saúde

O processo para a construção do Hospital Nacional de Cabo Verde (HNCV) começou há cerca de dois anos, com a assinatura de um memorando de entendimento entre o Governo de Cabo Verde e a Santa Casa da Misericórdia do Porto (Portugal).

Fernando de Pina / Lusa

O Governo cabo-verdiano apresentou esta quarta-feira o projeto do Hospital Nacional, orçado em 65 milhões de euros, e que deverá ficar pronto dentro de quatro anos para melhorar o nível de cuidados de saúde e reduzir as evacuações externas.

O processo para a construção do Hospital Nacional de Cabo Verde (HNCV) começou há cerca de dois anos, com a assinatura de um memorando de entendimento entre o Governo de Cabo Verde e a Santa Casa da Misericórdia do Porto (Portugal).

Depois disso foi criada uma equipa técnica interministerial para preparar os atos formais, conceptuais e técnicos para mobilização de financiamento, finalização do projeto e definição do modelo de gestão e de acesso aos serviços a prestar.

Conforme projeto apresentado hoje pelo diretor nacional de Saúde, Jorge Noel Barreto, o hospital nacional deverá ser construído na zona de Achada Limpo, no concelho da Praia, com capacidade máxima de 134 camas, sendo 12 para os cuidados intensivos.

Ainda segundo o diretor nacional de Saúde, a futura infraestrutura de saúde não vai substituir os dois hospitais centrais públicos do país – Agostinho Neto, na Praia, e Batista de Sousa, em São Vicente – mais sim complementar a oferta disponível e maximizar os recursos.

O Hospital Nacional de Cabo Verde está orçado em 7,2 mil milhões de escudos (65 milhões de euros), conforme apresentou João Santos, do Ministério das Finanças, indicando que 47% desse valor será destinado à construção, enquanto 53% será para aquisição de equipamentos e capacitação dos técnicos.

As obras deverão arrancar em 2022, ficando concluídas três anos depois, e segundo João Santos há várias possibilidades de financiamento, desde externo, através do aumento da dívida pública, mas também privado, nacional e estrangeiro, que já conta com “muitas manifestações de interesse”.

Quanto à gestão, prevê-se que seja pública ou mista (público-privada), em que a ideia, segundo o representante do Ministério das Finanças, é o Estado pagar uma renda anual de cerca de 360 milhões de escudos (3,2 milhões de euros) e liquidar a dívida em 20 anos.

O hospital terá como principais objetivos melhorar os cuidados de saúde, com altos níveis de especialização e de sustentabilidade, e reduzir as evacuações médicas para o exterior, que neste momento são de cerca de 500 doentes por ano, sobretudo para Portugal, custando 300 milhões de escudos (2,7 milhões de euros) aos cofres do Estado.

Para o primeiro-ministro cabo-verdiano, Ulisses Correia e Silva, a apresentação do projeto técnico é mais uma “etapa decisiva e determinante” de um longo processo iniciado há cerca de dois anos e que terá concretização dentro de três a quatro anos.

O chefe do Governo sublinhou a necessidade de o país ter um “hospital de referência”, com valências tecnologicamente avançadas e que irá proporcionar aos profissionais de saúde boas condições para o exercício da medicina.

“Será um hospital sediado na Praia, que vai servir Cabo Verde, um hospital público, integrado no Serviço Nacional de Saúde”, salientou o primeiro-ministro, traçando como outro objetivo a sua inserção em redes colaborativas com hospitais e centros de referência mais avançados.

“Ninguém hoje resolve esses problemas, principalmente nos países menos avançados tecnologicamente, sem uma boa parceria e uma boa rede de colaboração, incluindo os nossos quadros especializados na diáspora”, referiu Ulisses Correia e Silva.

Posicionar Cabo Verde como um país seguro do ponto de vista sanitário e de saúde é outro objetivo enumerado pelo chefe do Governo, para quem se torna cada vez mais uma necessidade por causa da emergência provocada pela pandemia da covid-19.

Ler mais
Recomendadas

Privatização do BCI vai testar interesse dos investidores por Angola

Em declarações à agência Bloomberg, o ministro angolano da Coordenação Económica, Manuel Nunes Junior, detalha o processo de alienação do 13º maior banco angolano em termos de ativos, numa fase em que Angola já privatizou 39 empresas, no universo das 195 sociedades cuja venda está agendada para ser realizada até ao final de 2022

PremiumCabo Verde escolhe entre continuidade e regresso do PAICV

Legislativas de domingo decorrem sob o impacto da crise pandémica, com o primeiro-ministro Ulisses Correia e Silva a procurar a reeleição.

Marcelo Rebelo de Sousa anuncia visita a Cabo Verde em maio

O Presidente da República anunciou que vai viajar até Cabo Verde, com eleições marcadas para este domingo, em visita oficial no mês de maio.
Comentários