Câmara dos Representantes aprova destituição de Donald Trump. Processo passa para o Senado

A invasão do Capitólio há apenas uma semana levou ao segundo processo de impeachment, que foi apoiado pela maioria democrata e por 10 representantes republicanos. O processo sobe agora ao Senado, onde o desfecho do julgamento ao presidente é ainda incerto.

A Câmara dos Representantes votou favoravelmente à destituição de Donald Trump por incitação à rebelião e insurreição, depois do voto desta quarta-feira. Esta é a primeira vez na democracia norte-americana que um presidente é alvo de um impeachment duas vezes no mesmo mandato. Isto significa que o processo passa agora para o Senado, onde será o presidente será julgado pelas acusações agora aprovadas na câmara baixa do Congresso.

O voto final contou com 10 representantes republicanos a votarem a favor do processo, que se juntaram à maioria democrata na contagem final, resultando numa contagem de 232-197 a favor da aprovação da resolução.

A líder da maioria democrata na Câmara dos Representantes começou a discussão sobre a resolução de destituição apelando à ação contra o presidente, a quem atribui a culpa pela “insurreição destes terroristas domésticos”.

“O presidente dos EUA incitou essa insurreição, esta rebelião armada contra o nosso país. Ele tem de ser removido, pois constitui um perigo atual e claro à nação que todos amamos” afirmou Nancy Pelosi. “Acho que o presidente tem de ser condenado pelo Senado, uma garantia constitucional que a nossa república estará segura deste homem que está tão determinado em destruir aquilo que nos é querido e que nos mantém unidos.”

“Eles não apareceram do nada. Foram enviados para aqui, enviados pelo presidente com palavras como um apelo a que «deem uma luta dos diabos». As palavras importam, a verdade importa, a responsabilização importa”, defendeu a representante democrata.

A bancada maioritária da câmara baixa do Congresso focou a sua atenção na invasão do Capitólio da semana passada, um elemento chave no processo agora movido ao presidente. Por outro lado, os republicanos evitaram o assunto, focando-se no ataque que tem sido feito ao presidente durante todo o seu mandato, argumentando que a responsabilidade do ataque ao edifício não pode ser imputa às palavras do presidente.

“Invadir o Capitólio foi do mais baixo possível, todos o denunciamos. Mas quem é que expulsam? O presidente, que criou crescimentos galopantes, fez salários crescer antes da pandemia, ergueu 400 milhas de muro para parar as caravanas, que tirou as tropas do médio Oriente e mostrou empatia pelas pessoas esquecidas do nosso país?”, questionou o representante Matt Gaetz, fervoroso apoiante de Trump que representa a Florida.

Gaetz fez eco de muitas das alegações infundadas de fraude eleitoral na eleição presidencial, falando de votos por eleitores já falecidos, problemas de tabulação e “preocupações inconstitucionais”.

No entanto, houve mais representantes republicanos a juntar-se aos cinco que, antes deste debate, haviam já revelado que votariam favoravelmente à destituição de Trump. Dan Newhouse, de Washington, foi o primeiro e defendeu que não pode continuar a “virar a cara a este brutal ataque à nossa república”, pelo que votará a favor da destituição.

Estes 10 republicanos juntam-se à lista encabeçada por Liz Cheney, a terceira figura na hierarquia republicana na Câmara e filha do antigo vice-presidente Dick Cheney, de membros do GOP que votarão a favor da proposta democrata.

Durante o debate, vários foram os representantes democratas que exortaram os seus colegas republicanos a votarem favoravelmente a proposta usando as palavras de Cheney, que afirmara mais cedo esta quarta-feira que “nunca antes tinha havido uma traição maior por um presidente dos EUA ao seu cargo” e à Constituição. A representante do Wyoming foi mesmo a mais citada nos discursos democratas.

É agora incerto o desfecho do julgamento do presidente no Senado, que é expectável que só comece depois da tomada de posse de Biden, algo que os seus defensores na Câmara dos Representantes sublinharam repetidas vezes. Ainda assim, Mitch McConnell, o líder da maioria republicana, terá ficado agradado com a iniciativa democrata de impeachment, que facilita a transição do Partido Republicano para o futuro.

Ler mais
Relacionadas

Trump pede que não haja violência e defende que “não é isso que a América representa”

Uma semana depois dos incidentes no Capitólio e enquanto era debatida na Câmara dos Representantes a proposta de impeachment ao 45º presidente, Trump pediu calma e que não haja violência nos EUA.

Wall Street encerra mista em dia de votação do processo de ‘impeachment’ de Donald Trump

Pandemia e o destituição a Donald Trump afetam os mercados, tendo consequências quase diretas no índice industrial Dow Jones, que encerra o dia em terreno negativo. Nasdaq e S&P 500 fecham o dia em alta.

Google vai suspender anúncios políticos dos EUA até à tomada de posse de Joe Biden

Em comunicado, a Google anuncia que irá interromper “temporariamente todos os anúncios políticos, além de quaisquer outros anúncios que façam referência ao impeachment, a tomada de posse ou protestos no Capitólio dos Estados Unidos”.
Recomendadas

“Correu tudo mal”. Escândalo com abonos de família leva a demissão do Governo dos Países Baixos

Depois de ser conhecido o escândalo que envolveu milhares de famílias falsamente acusadas de fraude na atribuição de abonos, o executivo de Mark Rutte acabou por se demitir, apesar do primeiro-ministro ter inicialmente manifestado uma vontade contrária. O Governo ficará agora em gestão até às eleições de março.

Multimilionários estão 1 bilião de dólares mais ricos e contrariam queda da economia global

Com uma previsão de contração do PIB de 4,4% em 2020 e as economias mundiais a afundar consideravelmente, os multimilionários viram as suas fortunas a crescer em vários mil milhões de euros.

Governo japonês convida Comité Olímpico Internacional a elaborar um “plano B” para os Jogos Olímpicos de Tóquio

Taro Kono, ministro da administração e reforma do governo do Japão, dá voz às dúvidas dos seus concidadãos sobre a celebração dos Jogos Olímpicos, levando-o a pedir ao Comité Olímpico Internacional (COI) que elaborem um “Plano B”.
Comentários