Candidato da IL à Câmara de Lisboa pede investigação ao envio de informação à Rússia

“Ao contrário do que Fernando Medina anunciou, perante uma situação deste tipo o que se exige é uma investigação, não uma auditoria”, escreveu Bruno Horta Soares no twitter.

O candidato à Câmara de Lisboa apoiado pela Iniciativa Liberal (IL), Bruno Horta Soares, pediu que o envio de informação à Rússia fosse investigado e que não fosse realizada apenas uma auditoria.

Nas redes sociais, Bruno Soares escreveu que “ao contrário do que Fernando Medina anunciou, perante uma situação deste tipo o que se exige é uma investigação, não uma auditoria. Perante a gravidade dos factos, a investigação deve ser realizada por entidade independente, a bem da transparência e respeito pelos afetados”.

De recordar que Fernando Medina anunciou uma auditoria ao envio de informação ao Kremlin de ativistas russos a viver em Portugal que tinham cedido a informação à Câmara Municipal de Lisboa para poderem participar numa manifestação de apoio a Alexei Navalny. O autarca de Lisboa considerou ainda a situação representa “um erro lamentável”.

Por sua vez, a Iniciativa Liberal, em comunicado, sublinhou que “as declarações de Fernando Medina sobre a transmissão de dados pessoais de três cidadãos às autoridades russas não só não esclareceram a situação em toda a sua extrema gravidade, como vieram acrescentar questões fundamentais que é urgente apurar para defesa dos princípios da democracia liberal”.

“Em matéria de tal gravidade é inaceitável que subsistam dúvidas sobre o período temporal em que esta prática foi adotada e os eventos concretos em que dados sensíveis, que podem colocar em causa a integridade física de cidadãos e seus familiares, foram efetivamente partilhados”, afirmam os liberais.

Relacionadas

PSD considera “intolerável num Estado de direito” cedência de dados pessoais de manifestantes anti-Putin

O presidente do PSD, Rui Rio, quer chamar ao Parlamento o autarca lisboeta para prestar mais esclarecimentos sobre o caso e sublinha que, dada a gravidade do caso, Fernando Medina pode ser forçado a demitir-se.

“Era um procedimento errado e foi corrigido”, diz Augusto Santos Silva sobre dados enviados à Rússia

Apesar de considerar que o erro foi corrigido, o ministro diz esperar “que as autoridades russas que receberam indevidamente os dados cumpram as leis internacionais da proteção de dados e os apaguem”.
Recomendadas

G7: Líderes da UE alertam Londres para respeitar acordo de saída

Em causa estão divergências sobre a aplicação do acordo na Irlanda do Norte, onde o Reino Unido tomou medidas unilaterais para mitigar o impacto da introdução de controlos aduaneiros na circulação de algumas mercadorias, como produtos alimentares frescos. 

Bolsonaro age para partidarizar e quebrar espinha das Forças Armadas no Brasil, dizem analistas

Na semana passada, o general e comandante do Exército brasileiro, Paulo Sérgio Oliveira, decidiu não punir o também general do Exército Eduardo Pazuello, que participou num passeio de moto no Rio de Janeiro, com o Presidente da República, e até discursou em cima de um carro de som em 23 de maio.

André Ventura exige demissão de Fernando Medina

Líder do Chega considera que o presidente da Câmara de Lisboa “violou grosseiramente os seus deveres de titular de cargo político” devido ao envio de informações pessoais de manifestantes à Embaixada da Rússia.
Comentários