Catarina Martins reconhece resultado aquém do esperado: “Há noites eleitorais melhores e piores”

A líder do Bloco de Esquerda enalteceu a importância da campanha de Marisa Matias perante “lutas difíceis” e marcantes e destacou a defesa que a candidata fez de serviços públicos, sobretudo do Sistema Nacional de Saúde.

catarina_martins_oe_2020
António Cotrim/Lusa

Catarina Martins sublinhou a importância da campanha de Marisa Matias e da defesa da “firmeza” e “justeza” perante “lutas difíceis que marcam civilizacionalmente o nosso país”. A coordenadora do Bloco de Esquerda reconheceu que o resultado não foi o esperado, mas deixou um tom de esperança.

Citando a luta contra a precariedade, as alterações climáticas e o racismo e xenofobia como temas “centrais no nosso futuro”, Catarina Martins desvalorizou o resultado da eleição deste domingo, que deverá terminar com Marisa Matias perto de pouco mais de um terço dos 10% de votos que reuniu na corrida de 2016.

“O resultado não é aquele que esperávamos, mas se não fosse a Marisa não se tinha falado no Sistema Nacional de Saúde como se falou”, argumentou a coordenadora bloquista, em resposta a uma questão de um dos jornalistas presentes na sede de campanha bloquista.

“As noites eleitorais umas são melhores, outras são piores, mas uma coisa sabemos: a firmeza e justeza daquilo em que acreditamos abre caminhos para o dia seguinte”, afiançou.

A líder do BE destacou ainda a “responsabilidade da distância, da saúde e do cuidado” em que foi levada a cabo a campanha presidencial de Marisa Matias, isto “numa situação tão complicada do ponto de vista político”.

Recomendadas

Governo espera reabrir turismo em maio

“Por enquanto, as viagens não essenciais precisam de ser restritas, mas acreditamos que Portugal vai poder permitir viagens sem restrições em breve, não só para pessoas vacinadas, mas também para pessoas imunes ou que testem negativo”, afirmou Rita Marques à BBC.

SATA aprova acordo de emergência. Sindicato diz que salvou mais de 500 postos de trabalho na TAP

Num universo de 213 associados tripulantes da SATA, votaram 152 associados, com 135 votos a favor e 17 votos contra o ‘Acordo de Emergência’, releva um comunicado do Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil, dando assim por concluído um processo que envolveu 40 reuniões com as administrações da PGA, da TAP e da SATA, num balanco global em que o sindicato destaca que se salvaram mais de 500 postos de trabalho na TAP.

Portugal vai entregar 60 mil testes à Covid-19 a Cabo Verde, Guiné-Bissau e São Tomé e Príncipe

As três nações dos PALOP recebem o material de diagnóstico e rastreio ao coronavírus entre esta sexta-feira e sábado.
Comentários