Cientistas chineses afirmam ter conseguido atingir a supremacia quântica

O anúncio chinês surge pouco mais de um ano depois de semelhante conquista pela Google, numa tecnologia que promete oferecer uma capacidade de computação exponencialmente superior à dos mais poderosos computadores atuais.

Uma equipa de cientistas e investigadores chineses afirma ter atingido a supremacia quântica, ou seja, que conseguiu que o seu computador de base quântica resolvesse um problema 100 biliões de vezes mais rapidamente do que qualquer supercomputador atual conseguiria, reporta o Financial Times (FT).

Esta proeza foi conseguida por uma equipa da Universidade de Ciência e Tecnologia da China pouco mais de um ano depois da Google ter anunciado o mesmo. A agência de notícias estatal chinesa afirmou ainda que o seu computador quântico é 10 mil milhões de vezes mais rápido do que o da empresa norte-americana, que não respondeu aos pedidos do FT para comentários. Ainda assim, um dos professores ligados ao projeto enalteceu a máquina americana, lembrando que a corrida à supremacia quântica é “entre o ser humano e a natureza, não entre países”.

Os computadores quânticos poderão oferecer, através do incremento exponencial que confere à capacidade de computação, soluções para problemas altamente complexos que nenhum computador clássico conseguiria, como no domínio da encriptação. No entanto, a sua programabilidade é ainda reduzida, sendo por enquanto máquinas capazes de realizar apenas tarefas específicas. A corrida à tecnologia tem sido, ainda assim, bastante concorrida, com os EUA e a China a lutarem pela dianteira.

Recomendadas

Conta do FC Barcelona no TikTok ajudou clube a aproximar-se dos fãs

Pelo sexto ano consecutivo, o clube catalão lidera em ‘gostos’, comentários e partilhas.

PremiumPrimeiro dia da fase principal do leilão do 5G gera mais de 180 milhões euros

Fase de licitação das faixas essenciais ao 5G gera interesse, apesar das criticas dos ‘players’ ao regulador. Tiveram lugar quatro rondas.

Google completa aquisição da Fitbit por 2,1 mil milhões de dólares

As empresas obtiveram a aprovação do organismo antitruste da União Europeia em dezembro de 2021, depois da Google ter aceite as restrições sobre como usará os dados de saúde dos clientes.
Comentários