Regresso às aulas: Quercus aconselha escolhas sustentáveis na hora de comprar material escolar

Do material reutilizável à escolha do meio de transporte, passando pelas máscaras e pela alimentação, as dicas da Quercus têm como principal objetivo reduzir o impacte ambiental mas também apelar a um comportamento social mais sustentável de pais e alunos.

Doutor Finanças

A pandemia de Covid-19 implicou consequências a nível sanitário, mas também a nível ambiental. Com isto em mente, na hora de comprar material escolar, a associação ambientalista, Quercus, elaborou um conjunto de conselhos com o objetivo de diminuir a pegada carbónica que poderá também ter benefícios para a sua carteira.

Conheça as 22 dicas para um comportamento mais sustentável na altura de comprar material escolar:

1.      faça um diagnóstico ao estado do material escolar que tem em casa, vai encontrar muitos produtos que estão em bom estado e podem ser reutilizados este ano, nomeadamente estojos e mochilas;

2.      verifique que materiais podem ficar disponíveis na sua “rede” de amigos ou família, para poder recuperá-los e reutilizá-los;

3.      considere a aquisição de produtos avulso, como no caso dos lápis, em vez de optar por comprar uma caixa inteira;

4.      procure soluções recarregáveis como para canetas, por exemplo;

5.      aproveite as folhas usadas para a impressora e transforme em cadernos de estudo;

6.      faça uma lista de necessidades básicas, evite adquirir produtos que não são solicitados pelos professores;

7.      procure soluções nas plataformas de reutilização ou venda em segunda mão;

8.      confecione os seus próprios produtos, como estojos e lancheiras, com sobras de tecidos ou materiais;

9.      se tiver de adquirir mochila, evite as mochilas temáticas, que rapidamente passam de “moda” e não acompanham o crescimento das crianças;

10.  prepare um kit básico para cada criança, com uma garrafa reutilizável (promovendo o consumo de água da torneira), guardanapo de pano para acondicionar o lanche, talheres e marmitas reutilizáveis;

11.  reduza o uso de produtos em plástico, descartáveis ou de uso único, substituindo-o por alternativas reutilizáveis.

12.  considere a origem dos materiais, por vezes as alternativas muito mais baratas podem não garantir a proteção da saúde, como no caso dos lápis de cera, em que foram detetadas fibras de amianto em algumas marcas colocadas no mercado;

13.  avalie a perigosidade dos produtos, já existem muitas soluções alternativas com menos impacte, como para o caso das colas;

14.  procure produtos de origem natural e de origem local, são melhores respostas para o Ambiente e para a Saúde, e podem ser mais baratas;

15.  planeie os lanches, procure proporcionar uma alimentação mais saudável dando preferência a fruta da época e alimentos menos açucarados e aditivados;

16.  lembre-se que a maioria da fruta já tem casca, não precisa de embalagem!

17.  procure soluções de proteção individual como máscaras reutilizáveis, existem algumas que já possuem inclusive certificação;

18.  se tiver que recorrer a máscaras descartáveis, coloque-as no contentor do indiferenciado e não no ecoponto amarelo;

19.  esteja atento ao peso das mochilas, que de acordo com a OMS não deverá exceder o equivalente a 10% do peso da criança;

20.  promova e participe em redes de recolha de resíduos para reciclagem, implementadas nos estabelecimentos escolares, como por exemplo de pilhas, resíduos de equipamentos elétricos e eletrónicos ou rolhas de cortiça;

21.  promova a mobilidade suave e saudável, sempre que possível façam o trajeto a pé ou de bicicleta;

Ler mais
Recomendadas

Associações empresariais contestam duplicação da taxa de gestão de resíduos

O Governo aprovou na passada quinta-feira, dia 17 de setembro, em Conselho de Ministros, uma alteração ao regime geral de gestão de resíduos, aumentando o valor da taxa de gestão de resíduos (TGR), de 11 euros por tonelada, para 22 euros por tonelada, a partir de janeiro de 2021.

Pacto Português para os Plásticos quer reiventar o uso deste material

‘Vamos Reinventar o Plástico’ é o mote da campanha do Pacto Português para os Plásticos, que arranca hoje [dia 18 de setembro] e que pretende sensibilizar os consumidores portugueses para uma utilização responsável do plástico.

António Guterres pede aos governos para não apoiarem indústrias de combustíveis fósseis

“Ou podemos investir nas tecnologias do futuro, energia renovável, soluções baseadas na natureza, transporte sustentável e tecnologias verdes”, acrescentou o secretário-geral da ONU, dizendo que apenas este último é o caminho “racional”.
Comentários