Contratos para obras públicas a partir de 5 milhões vão destinar 1% para obras de arte

“Prevê-se, como regra, que 1% do preço, em contratos de valor igual ou superior a cinco milhões de euros, seja aplicado em inclusão de obras de arte nas obras públicas objeto desses contratos”, acrescenta o comunicado do Conselho de Ministros.

Cristina Bernardo

O Governo aprovou esta quinta-feira, em Conselho de Ministros, o decreto-lei que define que 1% do valor dos contratos para obras públicas, acima de cinco milhões de euros, deverá ser destinado à inclusão de obras de arte.

No comunicado do Conselho de Ministros de hoje, que foi dedicado na íntegra à Cultura, o Governo refere que foi aprovado, “na generalidade, o decreto-lei que estabelece um regime de inclusão, em obras públicas, de obras de arte para fruição pública, criando um instrumento de promoção de arte no território nacional através de roteiros de arte pública como fator de descentralização e democratização da cultura e de promoção da coesão territorial”.

“Prevê-se, como regra, que 1% do preço, em contratos de valor igual ou superior a cinco milhões de euros, seja aplicado em inclusão de obras de arte nas obras públicas objeto desses contratos”, acrescenta o mesmo texto.

O mesmo foi afirmado pela ministra da Cultura, Graça Fonseca, na conferência de imprensa que sucedeu ao Conselho de Ministros.

No dia 9 de abril, numa visita às obras de requalificação do Teatro Nacional de São Carlos, em Lisboa, o primeiro-ministro, António Costa, já havia anunciado que o Governo decidira retomar uma regra “antiga, que caiu em desuso, segundo a qual pelo menos 1% de cada grande obra pública estará afeto à encomenda e produção de uma obra artística”.

“Isto vale para os grandes investimentos que vamos fazer na ferrovia, na energia ou nas redes de metro”, acrescentou, na altura, o primeiro-ministro.

Ler mais

Recomendadas

Livro: “Impressões de Viagem”

Ricardo Jorge evidenciou-se no campo da Saúde Pública e tem sido um nome presente nestes tempos de pandemia pelo legado que deixou. Mas tinha muitos outros talentos que extravasavam a medicina. Escrever era um deles.

“Mulher sentada junto a uma janela” de Pablo Picasso vendida em leilão por 85 milhões de euros

A venda confirma a vitalidade do mercado de arte, que não sofreu os efeitos da pandemia, mas também o estatuto especial do artista espanhol Pablo Picasso (1881-1973).

“Uma mulher e atriz extraordinária”. SIC lamenta morte de Maria João Abreu

“Vivemos momentos felizes e inesquecíveis, que ficarão para sempre na nossa memória”, lê-se no comunicado emitido pela SIC. 
Comentários