Coreia do Sul e Samsung unem-se para produzir componentes tecnológicas

Seul pretende atingir a autossuficiência na produção destes componentes, dada a pressão vinda do Japão, que abastece a maior parte deste mercado.

A Coreia do Sul juntou esforços com a sua empresa de proa, a Samsung, para o desenvolvimento de chips e outro material altamente tecnológico em território coreano, reporta a Reuters. A decisão surge depois da imposição, em 2019, de restrições nas exportações japonesas de material tecnológico.

A Coreia do Sul pretende assim atingir a autossuficiência neste aspeto, especialmente dadas as tensões EUA-China e a situação pandémica, enquanto que a Samsung pretende investir em empresas que necessitem de cooperação para desenvolver chips de última geração, como explica a Reuters.

O mais recente investimento neste sentido foi de 84 milhões de euros em dois produtores locais de componentes de chips e material de teste, um mercado no qual os japoneses dominam. Aliás, este domínio leva alguns analistas a questionarem a estratégia coreana de competição num mercado tão dominado pelos nipónicos.

Assim, a Coreia do Sul terá ainda um longo caminho a percorrer. De acordo com o Instituto de Comércio Internacional do país, citado pela Reuters, dos 100 itens mais importados do Japão, 14 são material para o fabrico de semicondutores sem qualquer restrição em vigor, pelo que Tóquio tem ainda margem de manobra para sufocar os desenvolvimentos industriais coreanos no setor.

Recomendadas

Netflix ganhou 2,2 milhões de assinantes pagos no terceiro trimestre

A empresa de televisão por ‘streaming’ reportou subscrições e lucros abaixo das expectativas dos analistas, naquele que foi o primeiro relatório e contas desde que o diretor de conteúdos Ted Sarandos foi promovido a co-CEO, juntando-se a Reed Hastings.

Efanor compra mais 129 mil ações da Sonae Indústria

A Efanor admite ainda retirar a Sonae Indústria da bolsa.

BCE apoia demasiadas empresas poluentes, acusa Greenpeace

O estudo demonstra que 63% das obrigações privadas adquiridas pelo BCE vêm de setores que utilizam as energias fósseis ou consomem muita energia, num ‘stock’ de cerca de 242 mil milhões de euros de títulos detidos pelo banco central no final de julho.
Comentários